Procons se reúnem para combater bloqueio de internet no celular

Por | 22.04.2015

Os Procons estaduais e do Distrito Federal reúnem forças em uma ação de combate à suspensão do serviço de internet móvel no celular ao fim da franquia. O chamado “Dia D” está marcado para esta quinta-feira (23), e os órgãos de defesa do consumidor que ainda não instauraram um procedimento para investigar e aplicar penalidades às operadoras darão início ao processo.

 

Em outubro de 2014, as operadoras de telefonia celular anunciaram mudanças na forma de cobrança na prestação de serviços de acesso à internet quando do término da franquia contratada pelo consumidor, contrariando as ofertas pré-contratuais e publicitárias, que previam apenas a diminuição da velocidade de navegação, mudanças que resultam na interrupção do serviço e consequente contratação de franquia adicional.

 

A Associação Brasileira de Procons (ProconsBrasil), entidade que representa os Procons de todo o país, em reunião nacional em Brasília no dia 02 de dezembro do mesmo ano, posicionou-se de maneira veemente e absolutamente contrária às mudanças anunciadas e já implementadas por todas as operadoras, por considerá-las uma afronta aos direitos fundamentais consumeristas. 

 

Desde o início do ano de 2015, os Procons de diversos estados e municípios estão recebendo denúncias de consumidores inconformados com a mudança na prestação dos referidos serviços, já que foram previamente informados pelas operadoras e induzidos a acreditar que o acesso à internet pelos seus aparelhos móveis não seria interrompido e que haviam contratado uma conexão ilimitada de dados.

 

O Procon Estadual do Espírito Santo foi um dos primeiros a avançar na investigação sobre esse assunto. E, as provas coletadas pela Gerência de Fiscalização foram utilizadas para a elaboração da Nota Técnica da Associação Brasileira dos Procons e está servindo em contribuição para as posições assumidas por estes órgãos de todo o país.

 

No Procon-ES já foram abertos processos administrativos contra as operadoras de telefonia móvel Vivo e Tim sobre a prática de descumprimento à oferta, alteração unilateral do contrato e publicidade enganosa em razão da interrupção do serviço de conexão de dados com o fim da franquia contratada, em substituição à habitual prática de redução da taxa de transmissão (velocidade). A Vivo já foi notificada para prestar esclarecimentos e deverá apresentar defesa no prazo de 10 dias úteis.

 

“Essa mudança é uma afronta às normas de defesa do consumidor e os Procons do país estão empenhados e determinados em acabar com essa prática abusiva, que viola os direitos dos consumidores que pagam pela prestação de serviço”, informa o gerente de fiscalização do Procon Estadual, Rodrigo Cristello.

 

Após a conclusão do processo, as operadoras poderão sofrer sanções previstas no Código de Defesa do Consumidor que vão desde multa, suspensão de venda de novos serviços e imposição de contrapropaganda.

 

 

Comentários Facebook


Mais Brasil

Exigência de simulador para obter CNH deixa de valer

Mega-Sena acumula e prêmio pode chegar a R$ 90 milhões

Mais 25 frigoríficos são autorizados a exportar para a China

Lotofácil da Independência tem 33 apostas ganhadoras 

Mais de 1,5 mil motoristas de aplicativos já são microempreendedores

ANTT suspende resolução com novas regras para cálculo de frete mínimo

Governo Bolsonaro vai instalar 1 mil radares em rodovias federais, diz ministro

Seis em cada dez brasileiros dizem que reforma da Previdência é necessária, revela pesquisa da CNI

Após reunião com governo, caminhoneiros descartam paralisação

Aposentadoria tem novo cálculo a partir desta segunda-feira

Dependência econômica e fé se misturam em Abadiânia, em Goiás

INSS: espera por perícia médica subiu de 20 para 89 dias

Repórter é barrado em coletiva da Samarco: "eles têm medo das perguntas"

Caiu 36% o número de mortes de crianças no trânsito em dez anos

FGTS e redução da maioridade penal terão prioridade na Câmara

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web