Home Política

Deputado aponta desmandos do prefeito de Itapemirim e denuncia ameaça de morte

Por | 12.06.2018

 

Resultado de imagem para deputado estadual Gilsinho Lopes (PR)

O deputado estadual Gilsinho Lopes (PR) denunciou, da tribuna da Assembleia nesta terça-feira (12), uma contratação para prestação de serviço de segurança armada formalizada pelo prefeito interino de Itapemirim, Thiago Peçanha Lopes (PSDB), e confirmou a ameaça de morte ao vereador do município, Rogério da Silva Rocha (PCdoB).

Thiago Peçanha assumiu o cargo em abril do ano passado no lugar do prefeito Luciano de Paiva Alves (Pros), afastado do cargo por denúncia de corrupção. De acordo com o deputado, ele aderiu a uma Ata de Registro de Preços de pregão realizado em Vitória, no valor de R$ 3,2 milhões.

O processo foi protocolado sob o número 7.608/2018 – Ata de Registro de Prec?os no 0125/2017 do Prega?o no 040/2016 - para contratação de prestação de serviço de vigilância patrimonial no município pela empresa SVA Segurança e Vigilância Armado – Ireli. 

O contrato é datado de 27 de abril deste ano e será denunciado ao Ministério Público do Estado (MPES), a fim de apurar sua necessidade e checar outras informações, inclusive o prazo de vigência, que é de 12 meses.   

Na manhã de sábado (9), afirmou o deputado Gilsinho Lopes, o vereador Rogério da Silva Rocha, o Rogerinho, que denunciou a contratação, foi ameaçado por três capangas, que foram até sua casa dizendo que iriam matá-lo. Eles estavam  em um veículo Corolla de placa PPW 34147.

O vereador não se encontrava no local e a ameaça de morte foi feita diretamente à sua mãe, que ficou muito nervosa e se dirigiu à delegacia para registrar um Boletim Unificado, em que ela relata que o homem disse que, se não encontrasse Rogerinho, iria procurá-lo na Câmara de Vereadores. A mãe de Rogerinho, que tem dificuldade para se locomover, prestou queixa à Polícia Civil, que chegou a prender um homem, soltando-o em seguida. 


Assim como o prefeito afastado, Thiago Peçanha é acusado de várias irregularidades na gestão. No final de 2017, a Câmara de Vereadores abriu uma comissão processante contra ele, por denúncias relacionadas à criação do programa que concede um auxílio gás à população carente. 

fonte http://seculodiario.com.br

 

 

Comentários Facebook


É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias. Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web