Home Economia

Preço do leite pode subir mais de 50% no Espírito Santo

Entre os fatores que mais influenciam na elevação dos preços estão a greve dos caminhoneiros, o valor dos fretes e o aumento de impostos

Por | 14.06.2018

 

Foto: Getty Images

O consumidor capixaba que não abre mão do leite precisa se preparar: o preço, que vem em disparada desde o mês passado, vai continuar subindo e a estimativa é que o aumento chegue a 57%. Entre os fatores que mais influenciam na elevação dos preços estão a greve dos caminhoneiros, o valor dos fretes e o aumento de impostos para o leite que vem de fora do Estado.

Segundo o presidente da Associação Capixaba dos Supermercados (Acaps), João Falqueto, em maio, antes da greve dos caminhoneiros, o litro do leite era vendido nos supermercados, em média, por R$ 2,48. Hoje, o preço gira em torno de R$ 3,29, mas a estimativa para as próximas semanas é de mais aumento. O valor médio deve chegar a R$ 3,89. Um acréscimo de quase 57% em 30 dias.

Como motivos para a disparada, Falqueto aponta o período da entressafra da produção do leite, a majoração dos custos de frete, o desabastecimento durante a greve dos caminhoneiros — o que causou aumento da demanda e impulsionou o valor — e a nova alíquota de ICMS para o leite que vem de fora do Espírito Santo, que passou de 12% para 17%.

Em relação ao aumento da tributação, que entrou em vigor no início de junho, Falqueto faz críticas, já que o Estado não é autossuficiente na produção do leite. De acordo com o presidente da Acaps, aproximadamente 40% do produto que é consumido no Espírito Santo vem de outros Estados.

“Em relação ao imposto, nós não temos o que fazer a não ser repassar para o consumidor. Entendemos que é uma medida protetiva que o Estado tomou para proteger a indústria local, mas, na nossa avaliação, em momento inoportuno", disparou.

Ainda segundo Falqueto, o preço de laticínios fabricados no Estado também deve sofrer aumento, já que muitos produtores precisam comprar leite de fora do Espírito Santo. Ele também alega que a substituição tributária é mais um fator que causará impacto no preço do leite a partir de julho.

O advogado tributarista Alexandre Fiorot explica que, com esse mecanismo, a tributação é feita com base em uma estimativa de preço final do produto. Com isso, muitos contribuintes que acabam vendendo o item abaixo desse valor estimado são mais impactados. “Aqueles que vendem com preço mais baixo acabam tendo uma perda tributária porque eles suportam um imposto, que sobre o seu preço de venda, é muito maior, proporcionalmente. A própria substituição tributária vai ajudar a potencializar o aumento do preço do produto para o consumidor final.”

Fernando de Jesus Prudência, aposentado

Foto: Rafael Monteiro de Barros

O aposentado Fernando de Jesus Prudêncio, de 69 anos, já notou aumento do preço do leite. Para economizar, ele tem reduzido a compra, embora não abra mão do produto. “Eu não fico sem leite porque a minha esposa tem que tomar constantemente. Não pode ficar sem. Eu comprei uma marca aqui que eu nunca vi no mercado porque estava mais em conta".

O assessor parlamentar Sérgio Gouveia afirma que não só o preço do leite tem subido. “Eu tenho notado o aumento e estou vendo que tudo está mais caro".

A Secretaria Estadual da Fazenda (Sefaz) foi procurada para se manifestar a respeito do aumento da alíquota do ICMS para o leite que vem de outros Estados, mas não respondeu à demanda.

fonte http://www.gazetaonline.com.br

 

 

Comentários Facebook


É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias. Todos os direitos reservados.

Cadetudo Soluções Web