Home Economia

Confiança Empresarial atinge maior nível desde março de 2014, diz FGV

Os dados fazem parte da Sondagens de Índices de Confiança Empresarial, e foram divulgados hoje (2), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE).

Por | 02.01.2019

Agência Brasil  

Foto: Marcelo Camargo (Agencia Brasil/EBC)

O Índice de Confiança Empresarial (ICE) subiu 1,0 ponto em dezembro, indo a 95,9 pontos, o maior nível desde os 97,8 de março de 2014. Na métrica de médias móveis trimestrais, o índice avançou 1,9 ponto.

Os dados fazem parte da Sondagens de Índices de Confiança Empresarial, e foram divulgados hoje (2), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE).

O ICE consolida os índices de confiança dos quatro setores cobertos pelas Sondagens Empresariais produzidas pela FGV IBRE: indústria, serviços, comércio e construção.

Os dados indicam que o Índice de Situação Atual (ISA) subiu 1,1 ponto, para 91,2, o maior valor desde os 92,8 pontos de junho de 2014.

Já o Índice de Expectativas (IE-E) avançou 0,2 ponto, indo para 101,0. É segundo mês consecutivo em que o IE-E ultrapassa 100 pontos.

Na avaliação do superintendente de Estatísticas Públicas da FGV, Aloisio Campelo Jr., o índice de confiança do empresariado vem se aproximando da normalidade.

“Após a terceira alta consecutiva, a confiança empresarial se aproxima de níveis que retratam uma situação de normalidade” disse.

Para ele, a segunda boa notícia de dezembro foi que o índice que mede a percepção sobre o momento atual (ISA) avançou mais que o índice de expectativas (IE), “o que acontece pela primeira vez desde julho de 2018”.

O economista afirmou, porém, que, apesar dessas constatações, “a distância ainda superior a 15 pontos entre ISA e IE no comércio e na construção sugere que os ganhos recentes da confiança devem ser explicados por uma efetiva melhora gradual do ambiente econômico, mas também pelo efeito favorável do fim do período eleitoral sobre as expectativas”.

Confiança por setores

O estudo da FGV indica, ainda, que, pelo segundo mês consecutivo, houve aumento da confiança na margem em todos os setores que integram o ICE.

Já na métrica de média móveis trimestrais, a variação foi negativa apenas na indústria, com queda de 0,4 ponto. Com expressiva alta no mês, a confiança do comércio passa dos 100 pontos pela primeira vez desde março de 2014.

A indústria e os serviços avançaram menos e apresentam agora níveis de confiança muito próximos entre si. Já a confiança da construção subiu pelo quarto mês consecutivo, mas continua sendo a mais baixa entre os quatro setores.

Difusão da Confiança

Em dezembro, houve alta da confiança em 65% dos 49 segmentos que integram o Índice de Confiança Empresarial.

No mês passado, no entanto, a alta havia alcançado 84% dos segmentos.

Para a edição de novembro de 2018, foram coletadas informações de 4.701 empresas entre os dias 3 e 21 de dezembro. A próxima divulgação do ICE será no dia 31 de janeiro.

 

 

Comentários Facebook


Mais Economia

53 servidores aderiram à aposentadoria incentivada e Assembleia vai desembolsar R$ 26,8 milhões

Empresa de laticínios vai investir R$ 30 milhões em construção de fábrica

BNDES vai explicar modelo de apresentação dos 50 maiores contratos

China e commodities lideram aumento das exportações brasileiras

Atividade econômica cresce 1,38% em 11 meses de 2018

Espírito Santo coloca o Brasil entre os maiores países em produção e exportação de mármore e granito

Endividamento das famílias cai em dezembro, revela pesquisa

Produção de veículos cresce 6,7% em 2018, diz Anfavea

Palestras gratuitas abordam Estratégias de Valor para empresas no Espírito Santo

Governo estuda aumentar IR para rendas mais altas, diz secretário

Guedes: reforma da Previdência e abertura de mercado são prioridades

Confiança Empresarial atinge maior nível desde março de 2014, diz FGV

Brasileiro quer juntar dinheiro para pagar dívidas, diz pesquisa

Caberá a Bolsonaro definir o valor do salário mínimo de 2019

Hartung deixa Estado organizado e com R$ 450 milhões livres em caixa

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.
© Atenas Notícias e Opinião. Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web