Home Política

Toffoli decide que votação para presidência do Senado será secreta

 A decisão de Toffoli vale até o dia 7 de fevereiro, quando o plenário do STF deverá decidir se referenda sua liminar.

Por | 10.01.2019

Agência Brasil  

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, decidiu nesta quarta-feira (9) que a votação para a eleição da nova Mesa Diretora do Senado, prevista para 1º de fevereiro, deverá ser secreta. A decisão foi tomada pelo ministro em função do período de recesso no Judiciário. A decisão de Toffoli vale até o dia 7 de fevereiro, quando o plenário do STF deverá decidir se referenda sua liminar. 

Na decisão, o presidente aceitou o recurso protocolado pelo SD e MDB, além da advocacia do Senado, para derrubar a decisão proferida pelo ministro Marco Aurélio, que, no dia 19 de dezembro, antes do início do recesso, aceitou um mandado de segurança do senador Lasier Martins (PSD-RS) para determinar que a votação seja feita de forma aberta.

A votação secreta está prevista no Regimento Interno do Senado, no entanto, Marco Aurélio entendeu que a regra é inconstitucional. "O princípio da publicidade das deliberações do Senado é a regra, correndo as exceções à conta de situações excepcionais, taxativamente especificadas no texto constitucional", escreveu o ministro.

Ao derrubar a decisão de Marco Aurélio, Toffoli entendeu que regra prevista no regimento interno da Casa, que determina a votação secreta, deve prevalecer. 

"Noto que a modificação para a eleição vindoura, por meio de decisão monocrática, sem a possibilidade de análise pelo Plenário da Corte (tendo em vista o recesso judiciário), implicaria em modificação repentina da forma como a eleição da mesa diretiva regimentalmente vem se realizando ao longo dos anos naquela Casa; ao passo em que a manutenção da regra regimental permite a continuidade dos trabalhos diretivos da Casa Legislativa nos moldes definidos por aquele Poder", decidiu o presidente do STF.

Mais cedo, em outra decisão, Toffoli decidiu manter votação secreta para a eleição da presidência da Câmara, também prevista para 1º de fevereiro.  O ministro rejeitou mandado de segurança protocolado deputado federal eleito Kim Kataguiri (DEM-SP), que defendeu que a votação dos parlamentares para eleger novo presidente da Casa fosse aberta.

 

 

Comentários Facebook


Mais Política

Partido Verde repudia constrangimentos e agressões sofridas pelos membros do CONAMA

Vereador de Anchieta denuncia “aumentos abusivos” nas contas de energia elétrica, mas a EDP nega

Suicídio: aprovado projeto que estabelece mais assistência no SUS

Projeto de reestruturação da Câmara de Cachoeiro cria 15 cargos e reajusta salário de servidores

Concessionárias de energia serão ouvidas sobre tarifa social

Projeto que cria bonificação no Tribunal de Contas é barrado pelos deputados capixabas

Presidente da Câmara articula nova delegacia e conselhos interativos em Cachoeiro

Governadores debatem previdência, contrabando, segurança e combate à corrupção

Deputado capixaba quer maior rigor para aplicativos de entrega

Evair de Melo é indicado para atuar em cinco comissões permanentes

Governador participa de reuniões para garantir investimentos no ES

"Base está sendo construída", diz deputado Major Vitor Hugo

Manter investimentos com equilíbrio fiscal, garante Casagrande

Autoridades se unem e cobram solução para “Curva da Morte”

Capitão Assumção quer por fim à cobrança de taxas em escolas particulares

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web