Bons Negócios

Cafeicultores querem acordo com UE para expandir mercado

Países europeus cobram tarifa de 9% do produto brasileiro

Por | 08.01.2019

Fonte: Agência Brasil 

Foto: Agencia Brasil

Produtores e exportadores brasileiros de café esperam que o novo governo atue para concluir o acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia (UE). Conforme os termos estabelecidos nas negociações até o fim do ano passado, as partes deixarão de cobrar tarifas para o café solúvel em até quatro anos após a assinatura do tratado.

Atualmente, a tarifa cobrada pela União Europeia é de 9%. A taxação favorece o principal concorrente brasileiro, a Colômbia, que exporta para 28 países sem os mesmos custos aduaneiros.

“Isso é uma desvantagem muito grande”, afirma o presidente executivo do Conselho Nacional do Café, Silas Brasileiro, que deve levar o assunto para a reunião de fevereirodo Conselho Deliberativo da Política do Café (CDPC), que funciona dentro do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

“De um a dez, estamos no nove para fechar o acordo”, avalia o diretor de Relações Institucionais da Associação Brasileira da Indústria de Café Solúvel (Abics), Agnaldo Lima.

Segundo Lima, a atuação conjunta das áreas econômicas do governo e da diplomacia foi eficiente nas negociações sobre o café com os europeus. “Os produtos brasileiros que mais enfrentam resistência na Comissão Europeia para ter um acordo são açúcar, álcool e carne. Não o café.”

O mercado europeu é estratégico para a ampliação das exportações de café solúvel. Nenhum país da União Europeia ocupa posição entre os 10 principais destinos dos produtos brasileiros. Até novembro de 2018, os três maiores compradores de café solúvel do Brasil foram os Estados Unidos (591 mil sacas de 60 kg); Rússia (404 mil sacas) e Japão (269mil sacas).

Em todo o ano passado, as exportações de café solúvel (industrializado) renderam mais de US$ 526 milhões. O valor é quase nove vezes menor do que o país obteve com a venda de café cru em grão, para o qual a União Europeia não cobra tarifa.

O café brasileiro é cultivado principalmente por pequenos produtores. Segundo pesquisa feita Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), entre outubro e novembro do ano passado em Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Espírito Santo, Bahia, Rondônia e Goiás, 66% das propriedades produtoras de café têm menos de 20 hectares.

 

 

 

Comentários Facebook


Mais Agronegócio

Cafés especiais ganham atenção na região do Caparaó

Definidas regras para venda de queijo artesanal em todo o país

Governo quer mudar seguro agropecuário

Inclusão social agrega valor aos cafés especiais

De Muqui para o Brasil: café capixaba ganha mais um prêmio

Cachoeiro facilita venda de produtos de agroindústrias para todo o ES

Produtor de amêndoas do Sul do estado recebe premiação

Produtores de cafés especiais na região do Caxixe começam ser identificados pelo governo

Prefeitos de Minas Gerais conhecem o agroturismo em Venda Nova do Imigrante

Mudas de Pinus serão distribuídas a produtores da Região Serrana do ES

Queijo de 650 quilos é destaque de concurso leiteiro em Muniz Freire

Espírito Santo ganha primeira Federação dos Cafés

Produção de conilon cresce 5 vezes em 20 anos

Nova cultivar de café conilon é lançada pelo Incaper

Morador de Anchieta desenvolve máquina para colher pimenta rosa

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web