Home Política

Casos de cães mantidos amarrados e gatos envenenados serão investigados por deputados capixabas

Composição do colegiado ainda será feita e deputados terão prazo de 90 dias para apurar denúncias

Por | 08.02.2019

 Foto: Lissa De Paula

Denúncias de maus-tratos contra animais investigadas pela Casa na legislatura passada voltam a ter espaço com a criação de uma nova Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre o tema. O requerimento para abertura da CPI, de autoria de Janete de Sá (PMN), foi publicado nesta quinta-feira (7) no Diário do Poder Legislativo (DPL). A Resolução 5.909 determina o número de membros e o prazo para o encerramento dos trabalhos.

O colegiado será composto por três deputados e terá prazo de 90 dias para apuração das denúncias, que envolvem, inicialmente, relatos de abandono de cães mantidos amarrados em Jardim Camburi e casos de gatos envenenados em São Pedro. Ambos os bairros ficam em Vitória.

A partir da criação da CPI, serão definidos os nomes dos membros. A primeira reunião será de instalação dos trabalhos, com eleição do presidente, vice e relator. 

Justificativa

Na última legislatura, a CPI foi presidida pela deputada Janete de Sá. A parlamentar justificou a iniciativa de retomada dos trabalhos alegando que mais denúncias foram feitas mesmo após a apresentação do relatório final, que pediu o indiciamento de quatro pessoas. Foram 300 denúncias recebidas em dois anos de trabalho.

“Retomamos a CPI porque é um trabalho que não se esgota (...) quando o relatório estava sendo apresentado, nós já estávamos com novas denúncias, o que motivou fazermos o compromisso de reabrir a CPI para dar sequência ao trabalho”.

Janete de Sá apontou a legislação e os recursos públicos disponíveis como pontos a serem trabalhados no combate aos maus-tratos contra os animais.

“A legislação é muito frágil com relação à causa animal, o orçamento tanto do governo federal quanto do Estado ainda é muito precário para ajudar as prefeituras a dar conta dessa questão que para nós é tão importante, de cuidar de nossa fauna, nossa flora, nossos animais domésticos. Ou seja, em decorrência dessas fragilidades eu vi que era necessário retomar esse trabalho porque as denúncias persistem e são suficientes para discutirmos essa questão por mais um, dois ou três anos, até que a gente possa fortalecer as políticas públicas e o orçamento no sentido de resolver esse problema”, destacou.

 

 

Comentários Facebook


Mais Política

Pacote do governo Casagrande para saúde vai tramitar em urgência

Plano de Desenvolvimento Regional do Espírito Santo é apresentado durante a ExpoSul

Prefeitos do Sul apoiam Casagrande na flexibilização do Fundo para Redução das Desigualdades Regionais

Bolsonaro quer mudar distribuição de royalties do petróleo

Projeto de reajuste e extensão do auxílio-alimentação de servidores já está na Câmara de Cachoeiro

Renata Fiório defende Santa Casa e compara Roberto Bastos com Judas

Gilson Daniel assume a Amunes

Para atender prefeitos, Casagrande propõe flexibilização do uso do Fundo para Redução das Desigualdades Regionais

Deputado capixaba quer proibir chamada restrita de telemarketing

Em Cachoeiro, presidentes de câmaras vão discutir políticas públicas

Projeto de Incentivos Fiscais é aprovado pela Câmara de Cachoeiro

João Paulo Nali é nomeado na Assembleia Legislativa

"Estamos empenhados em fazer boas entregas neste ano", diz prefeito de Cachoeiro

Em Brasília, Casagrande apresenta propostas em favor dos estados brasileiros

Presidente da Assembleia Legislativa explica questionamentos do Ministério Público

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web