Home Política

Assembleia Legislativa já tem suas 5 CPIs definidas

Parlamentares vão investigar maus-tratos contra animais, obras públicas, termos de compromisso ambiental, crimes cibernéticos e sonegação fiscal

Por | 03.03.2019

Foto: Divulgação/ Lucas Albani

As cinco Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) que irão funcionar no início desta legislatura já foram escolhidas. Entre os temas a serem investigados pelos deputados estão maus-tratos contra animais, obras públicas, termos de compromisso ambiental assinados por mineradoras, crimes cibernéticos e sonegação fiscal.

A primeira CPI criada neste ano foi a dos Maus-Tratos, uma continuação da que ocorreu na Casa na legislatura passada. Na oportunidade, os deputados investigaram as denúncias recebidas e o relatório final acabou por indiciar quatro pessoas por maltratarem animais.

Segundo Janete de Sá (PMN), que presidiu a última e conduzirá a atual, a abertura de uma nova CPI foi necessária em virtude do volume de denúncias que chegaram ao colegiado. “Elas persistem e são suficientes para discutirmos essa questão por mais um, dois ou três anos, até que a gente possa fortalecer as políticas públicas e o orçamento no sentido de resolver esse problema”, argumentou.

Obras

Capitaneada pelo presidente da Comissão de Infraestrutura (Coinfra), Marcelo Santos (PDT), foi instituída uma CPI para apurar desvios em obras públicas e privadas, investigar o tráfego de veículos com documentações irregulares em vias públicas, o cumprimento das políticas de desenvolvimento de infraestrutura e logística no Estado e tratar de assuntos correlatos.

“Queremos fiscalizar as obras e, além disso, queremos fiscalizar esses veículos adulterados, como os que já geraram problemas enormes para o Espírito Santo, a exemplo dos que colidiram com outros veículos e ceifaram diversas vidas”, explicou.

De acordo com o pedetista, o transporte de pedras é uma das atividades passíveis de serem fiscalizadas pelo colegiado. “Não se sabe se as carretas estão adequadas às normas do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito)”, completou.

Mineradoras

A legalidade dos Termos de Compromisso Ambiental (TCAs) firmados por ArcelorMittal e Vale e a licença de operação recebida por esta última também serão objeto de uma CPI. A constituição do colegiado foi uma iniciativa do deputado Sergio Majeski (PSB).

“É tudo muito vago e muito estranho. Participaram disso o Iema (Instituto Estadual de Meio Ambiente), a Seama (Secretaria de Estado de Meio Ambiente), o Ministério Público Estadual, o Federal e as empresas, mas eles excluíram todos os movimentos civis em prol do meio ambiente, que no Espírito Santo são vários”, ressaltou.

Para o parlamentar, os termos assinados deveriam mencionar os índices de poluição no momento do acordo com as empresas para definir qual seria a meta de redução das emissões e a tecnologia utilizada por elas para alcançar o resultado esperado.

“A Comissão pretende investigar minuciosamente esses acordos e por que foram feitos dessa forma para que as providências cabíveis sejam tomadas. Inclusive, nem aquilo que foi orientado pela CPI do Pó Preto sequer foi cumprido”, disse, referindo-se ao colegiado que funcionou na legislatura passada e fez uma série de recomendações para atenuar os efeitos da poluição atmosférica.

Crimes cibernéticos

Com o objetivo de apurar as denúncias relacionadas a crimes cibernéticos, o deputado Vandinho Leite (PSDB) articulou uma CPI. “Com o aumento de utilização da internet e com o advento das redes sociais hoje é possível ver crimes sendo cometidos através da internet ou dos meios de comunicação, que são os chamados crimes cibernéticos”, esclareceu.

O parlamentar contou que a ideia é apurar casos de repercussão no Estado, debater o aparato público para combater este tipo de crime e trabalhar em parceria com outras instituições, como a Defensoria Pública e o Ministério Público.

“Cerca de 60 milhões de brasileiros foram vítimas de crimes cibernéticos no ano passado e os prejuízos aos cofres são mais de R$ 21 bilhões. É um problema hoje instituído na sociedade e nós precisamos combater, jogar luz, acolher as denúncias e dar prosseguimento”, enfatizou.

Sonegação

A CPI de conteúdo mais abrangente a ter seu funcionamento aprovado é encabeçada por Enivaldo dos Anjos (PSD), que na legislatura passada presidiu as CPIs da Máfia dos Guinchos e da Sonegação Fiscal.

O novo colegiado terá como mote a investigação de irregularidades nos serviços de guinchamento de veículos, a instalação de radares de velocidade nas vias públicas, os procedimentos de licenciamento ambiental, a deficiência na prestação de serviços de telefonia e energia elétrica, a poluição do meio ambiente, os contratos de terceirização de lixo e a sonegação fiscal.

CPIs

De acordo com o Regimento Interno da Ales, esses colegiados têm poderes de investigação próprios das autoridades judiciais e devem ser criados com o fim específico de apurar um fato determinado. A conclusão das atividades pode ser encaminhada ao Ministério Público para que este promova a responsabilidade civil ou criminal do infrator se for o caso, e também outras instituições.

Os membros das CPIs podem determinar diligências, ouvir indiciados, requisitar informações e documentos de órgãos públicos; tomar depoimentos de autoridades, entre outros. Elas possuam prazo inicial de 90 dias, podendo seus trabalhos serem prorrogados sucessivamente até o final da Legislatura.

Confira as informações das CPIs

Maus-Tratos contra Animais

Criada pela Resolução 5.909
Membros Efetivos: presidente Janete de Sá (PMN), vice-presidente Vandinho Leite (PSDB) e relator Delegado Lorenzo Pazolini (PRP)
Membros Suplentes: Fabrício Gandini (PPS), Carlos Von (Avante) e Dr. Rafael Favatto (Patri)

 

CPI das Obras Públicas e Privadas
Criada pela Resolução 5.916, com aditamento na 5.916
Membros Efetivos: presidente Marcelo Santos (PDT), vice-presidente Rafael Favatto (Patri) e relator Alexandre Xambinho (Rede)
Membros Suplentes: Euclério Sampaio (DC), Hudson Leal (PRB) e Vandinho Leite

CPI dos TCAs
Criada pela Resolução 5.917
Membro Efetivo: Sergio Majeski (PSB)
Eleição para escolha dos membros ainda não foi realizada

CPI dos Crimes Cibernéticos
Criada pela Resolução 5.918
Membro Efetivo: Vandinho Leite (PSDB)
Eleição para escolha dos membros ainda não foi realizada

CPI da Sonegação
Criada pela Resolução 5.918
Membros efetivos: presidente Enivaldo dos Anjos (PSD), vice-presidente Euclério Sampaio (DC) e relator Marcelo Santos (PDT)
Membros Suplentes: Alexandre Xambinho (Rede), Carlos Von (Avante) e Dr. Rafael Favatto (Patri)

 

 

Comentários Facebook


Mais Política

Casagrande participa de encontro do Cosud no Rio Grande do Sul

Depois de 33 anos, Dr. Adail está deixando o MDB de Cachoeiro

Quase a metade dos internos do Iases não estuda

Projeto de Gandini cria novas regras para taxa de conveniência

Prefeitura de Itapemirim é denunciada no TCE-ES por suspeita de direcionamento na licitação de transporte coletivo/escolar

Deputados derrubam cinco vetos governamentais

Ministério Público apresenta a primeira denúncia contra investigados na Operação Rubi

Dorlei nomeia secretárias de Fazenda e Assistência Social em Presidente Kennedy

Tininho define aumento no tícket alimentação de Marataízes para R$ 800

Sete pessoas são presas suspeitas de fraudar licitações na Prefeitura e Câmara de Guaçuí

Na Assembleia, prefeito fala sobre área de risco em Rio Novo do Sul

Em nota oficial, Dorlei Fontão reforça discurso de trabalhar em harmonia com as instituições do ES

Bolsonaro disse que fez compromisso com Moro para indicá-lo ao STF

Dorlei Fontão deve escolher três novos secretários para Presidente Kennedy

Erimar Lesqueves é o novo presidente da Câmara Municipal de Marataízes

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web