Home Cidades

Assinante de revistas de Venda Nova do Imigrante será indenizada após receber apenas 16 exemplares dos 105 contratados

Magistrado concluiu que houve falha na prestação de serviço e, ainda, que a empresa foi negligente no atendimento aos requerimentos da consumidora.

Por | 08.03.2019

Foto e texto: TJES

A Vara Única de Venda Nova do Imigrante acolheu os pedidos de indenização propostos por uma mulher que alegou falha em prestação de serviço contratado, condenando a requerida ao pagamento de R$1480,96, a título de restituição, e R$2000, a título de indenização por danos morais.

A autora relata que assinou contrato com a ré para o recebimento de revistas semanais, pelo valor de R$873,60, tendo pago à vista. Contudo, ela afirmou que a prestação de serviço foi falha desde o início da relação de consumo, visto que os exemplares não chegavam semanalmente, somente se ligasse para o atendimento da requerida e reclamasse do ocorrido.

A requerente afirmou que ao final de um ano do contrato, recebeu apenas 16 revistas, do total de 105 que deveriam ser entregues e ao tentar cancelar sua assinatura, não foi atendida pela contratada.

Em contrapartida, a ré apresentou contestação, alegando culpa de terceiros pelo não recebimento da mercadoria. Ainda, defendeu que nunca recebeu ligações de reclamação por parte da autora. O magistrado verificou que a requerida, apesar do alegado, não comprovou nenhuma das afirmações feitas.

Após análise dos documentos juntados ao processo, o juiz da Vara Única de Venda Nova do Imigrante entendeu que houve falha no fornecimento do serviço oferecido pela ré. “Sem maiores dificuldades é possível concluir que a ré falhou na prestação dos serviços, uma vez que não cumpriu nem 20% da obrigação assumida, e, para piorar, tratou com desídia os requerimentos feitos pela consumidora, fazendo com que ela perdesse tempo útil, e se desgastasse sobremaneira, a fim de ver cumprido o contrato que celebrou”, explica o magistrado, que reconheceu uma resolução contratual por inadimplemento, o que gera à autora o direito de ser restituída em dobro pelo que foi cobrado.

“Também faz jus à indenização por danos morais, pois os atos da ré importaram em perda de tempo útil e aborrecimentos que ultrapassam o mero dissabor cotidiano”, concluiu o juiz, que acolheu os pedidos ajuizados pela consumidora.

Processo nº 0001083-75.2018.8.08.0049

 

 

Comentários Facebook


Mais Cidades

Lei da Ficha Limpa criada pela Prefeitura de Cachoeiro completa 19 meses

Aos 98 anos, Mercado Municipal será revitalizado

Ações em comemoração ao Dia da Água começam nesta quinta, em Cachoeiro

Praça, avenida e unidade de saúde recebem serviços de paisagismo

Que tal passeios que envolvem história e belezas naturais de Venda Nova do Imigrante?

Em Cachoeiro, programa de hora-máquina reduz custos de produtores rurais

Farmácia Cidadã Estadual em Venda Nova do Imigrante tem novo endereço

Prefeitura de Marataizes dá 15% de descontos para quem pagar o IPTU em cota única

Unidade de Saúde do Frade, em Itapemirim, fica pronta em 180 dias

Transporte em Cachoeiro: mudança em horários da linha de Cobiça

Subestação de Castelo beneficia Conceição do Castelo, Venda Nova do Imigrante, Muniz Freire, Ibatiba, Iúna, Irupi e Ibitirama

Prefeitura de Cachoeiro se prepara para atualizar o PDM

Cachoeiro divulga agenda para comemoração do Dia da Água

Mural artístico e plantio de mudas revitalizam rua de Cachoeiro

Governador participa da inauguração de subestação de energia em Castelo

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web