Números Positivos

Desempenho da Agricultura alavanca crescimento do PIB capixaba

A boa performance do setor agrícola capixaba é atribuída ao aumento na produção das principais culturas do Estado, com destaque para: Café Conilon, Café Arábica, Pimenta-do-Reino e Cacau

Por | 20.03.2019

Foto: Incaper

Com uma taxa de crescimento acumulada de +40,7%, a Agricultura foi o setor que mais contribuiu para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) 2018 do Espírito Santo. No acumulado do ano, a economia capixaba manteve tendência de alta, totalizando expansão de +2,4%, mais que o dobro da taxa nacional (+1,1%).

 

A boa performance do setor agrícola capixaba é atribuída ao aumento na produção das principais culturas do Estado, com destaque para: Café Conilon (+58,3%), Café Arábica (+26,1%), Pimenta-do-Reino (+77,1%) e Cacau (+57,7%). Outros produtos também registraram aumento na produção: Coco (+26,6%), Banana (+20,5%), Mamão (+13,5%), Cana-de-açúcar (+10,4%), Tomate (+6,6%) e Abacaxi (+1,1%).

“Os números são positivos e nos trazem otimismo, ainda que contido. Estamos num movimento ascendente e a economia capixaba dá mostras de recuperação, puxada por um crescimento importante na agricultura. Apesar de ter um peso pequeno no PIB, a agricultura é o setor econômico predominante na maioria absoluta dos municípios capixabas”, destacou o diretor-presidente do Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN), Luiz Paulo Vellozo Lucas.

Para o secretário de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), Paulo Foletto, o destaque positivo da agricultura torna-se ainda mais expressivo quando considerados os importantes desafios enfrentados pelo Estado durante a crise hídrica.

“Apesar da seca intensa que atingiu o Estado há quatro anos, esse resultado significa investimento em tecnologia e pesquisa. A ideia agora é melhorar ainda mais esses números. Nosso objetivo principal é manter a economia agrícola viva, investindo cada vez mais na agricultura familiar, que corresponde a grande parte da economia agrícola capixaba, e dando condições favoráveis ao desenvolvimento do agronegócio. O Espírito Santo tem um povo muito trabalhador e merece toda nossa atenção”, observou. 

O titular da pasta de Economia e Planejamento, Álvaro Duboc, pontuou que “a recuperação da economia beneficia a população, porque favorece a geração de emprego e renda”. “O Governo do Estado trabalha mantendo o equilíbrio das contas, determinado a fortalecer os diversos setores da economia capixaba, em especial, o da Agricultura. Estamos trabalhando para fortalecer os órgãos ligados ao setor, como a Seag e o Incaper, para que, dessa forma, possamos oferecer mais condições aos produtores rurais, tendo em vista a importância dessa atividade para a economia capixaba”, ressaltou o secretário.

Outro setor que contribuiu significativamente para o desempenho positivo da economia capixaba em 2018 foi o Comércio, uma vez que possui o segundo maior peso na estrutura econômica estadual. O destaque no setor fica por conta do Comércio Varejista Ampliado (Varejo restrito, inclusos as atividades de Veículos, motocicletas, partes e peças e de Construção Civil), com crescimento acumulado em 2018 de +13,5%. O Varejo Restrito também teve expansão (+7,7%) no ano.

“Isso é um indicativo de investimento das famílias. No comércio varejista ampliado, tivemos crescimento nas vendas de móveis, eletrodomésticos e de veículos, por exemplo, isso é sinal de aumento da confiança do capixaba no comportamento da economia”, avaliou Luiz Paulo Vellozo Lucas.

Os crescimentos da Agricultura e Comércio foram contrabalançados por pequenas retrações em Serviços (-1,1%) e Indústria Geral (-0,9%), sendo esta última impactada pela Indústria de Transformação (-2,8%).

No 4º trimestre de 2018, a atividade econômica capixaba registrou variações positivas em quase todas as bases de comparação. A exceção negativa foi a ligeira retração de -0,2% no confronto com o trimestre imediatamente anterior, com ajuste para a sazonalidade. As demais medidas de desempenho analisadas confirmam a manutenção do crescimento da economia capixaba, com avanço acumulado de +2,4% no ano de 2018 e taxa de +2,2% no 4º trimestre de 2018, na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior.

Em termos nominais, o PIB do Espírito Santo no quarto trimestre de 2018 foi de R$ 30,3 bilhões. Já em valores acumulados, o PIB nominal capixaba totalizou R$ 120,8 bilhões no ano de 2018.

Os dados foram apresentados nesta terça-feira (19) pelo Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN), em coletiva à imprensa, e constam no Indicador Trimestral de PIB referente ao 4º Trimestre de 2018. Trata-se de uma estimativa de PIB calculada trimestralmente pelo IJSN, de modo a anteceder o PIB anual, cujos resultados possuem defasagem de dois anos. O cálculo do PIB Estadual é realizado em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Também participaram do evento o subsecretário de Estado de Polos Industriais, Christiano Furtado, o superintendente do Centro de Desenvolvimento Tecnológico do Café (CetCaf), Frederico de Almeida Daher, e o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Espírito Santo (Faes), Júlio Rocha.

 

Panorama Econômico

O IJSN divulgou ainda o Panorama Econômico com o desempenho dos indicadores setoriais registrados para o quarto trimestre de 2018, bem como para o ano de 2018. No documento é apresentada uma análise detalhada dos movimentos econômicos captados pelo PIB Trimestral, além de dados da Agricultura, Indústria, Comércio, Serviços, Comércio Exterior, Inflação e Mercado de Trabalho.

Os dados positivos da Agricultura (+40,7%) ainda repercutem a recuperação após a crise hídrica de 2016. As chuvas ao longo do ano de 2017 e de 2018 ajudaram na recuperação das lavouras. Com isso, a maioria dos principais produtos da agricultura capixaba (café, pimenta-do-reino, cacau, coco, banana) apresentaram crescimento na produção no ano de 2018.

O Comércio apresentou variações positivas em todas as bases de comparação, com exceção da comparação com o trimestre anterior. O Comércio Varejista Ampliado fechou o ano de 2018 com crescimento de +13,5% e o Varejista Restrito de +7,7%. A venda de móveis e eletrodomésticos (+24,5%), juntamente com veículos, motocicletas, partes e peças (+25,2%), apresentaram crescimento significativo em 2018. Por outro lado, material de construção fechou 2018 com pequena alta (+0,8%), reflexo da recuperação ainda lenta desta atividade.

O setor de Serviços encerrou 2018 com retração de -1,1% no volume, devido às quedas nos serviços prestados por profissionais, administrativos e complementares (-10,1%) e informação e comunicação (-5,6%). Apesar da redução, o ritmo de queda do setor vem diminuindo lenta e gradualmente, tanto no Brasil como no Estado. Em relação à receita gerada no setor, houve aumento de +1,9% no acumulado de 2018.

Já na Indústria, apesar da taxa negativa do ano (-0,9%), houve redução do ritmo de queda da produção industrial, apresentando sinais de uma lenta recuperação no setor.

Em relação ao comércio exterior capixaba, os resultados foram positivos em todas as bases de comparação. A corrente de comércio capixaba atingiu US$ 3,9 bilhões no quarto trimestre de 2018, maior valor desde o terceiro trimestre de 2015, devido principalmente às exportações, que totalizaram US$ 2,7 bilhões no trimestre. No acumulado do ano o Estado exportou US$8,8 bilhões e importou US$5,0 bilhões.

A inflação acumulada no quarto trimestre de 2018 na Região Metropolitana da Grande (RMGV) ficou em +0,4%, influenciada principalmente pelo grupo Habitação, que caiu -2,0%, ficando igual a média do Brasil. No acumulado do ano, a inflação atingiu 4,2% na RMGV (acima do Brasil), porém, próximo ao centro da meta estabelecida para inflação brasileira no ano, que é de 4,5% ao ano. Influenciaram nessa base de comparação (acumulado em 2018): Educação (+6,0%), Transportes (+5,9%), Alimentação e bebidas (+5,0%) e Habitação (+4,9%).

Em relação ao mercado de trabalho, observa-se também um desempenho positivo no emprego formal, com saldo de 17.389 novas postos de empregos no ano de 2018, fortemente influenciado pelos setores Serviços (+9.018), Comércio (+3.663) e Construção Civil (+3.002). Em decorrência desse aumento, o estoque capixaba de empregos celetistas formais no ano de 2018 alcançou o patamar de 720.548 postos de trabalho.

Veja o relatório do Indicador Trimestral de PIB do Espírito Santo - IV Trimestre de 2018 

Leia a íntegra do Panorama Econômico 2018 

 

 

Comentários Facebook


Mais Agronegócio

Produtor de amêndoas do Sul do estado recebe premiação

Produtores de cafés especiais na região do Caxixe começam ser identificados pelo governo

Prefeitos de Minas Gerais conhecem o agroturismo em Venda Nova do Imigrante

Mudas de Pinus serão distribuídas a produtores da Região Serrana do ES

Queijo de 650 quilos é destaque de concurso leiteiro em Muniz Freire

Espírito Santo ganha primeira Federação dos Cafés

Produção de conilon cresce 5 vezes em 20 anos

Nova cultivar de café conilon é lançada pelo Incaper

Morador de Anchieta desenvolve máquina para colher pimenta rosa

Incaper lança livro técnico sobre experiências na produção do café conilon

“Produtores de café estão operando em prejuízo”, declara Evair de Melo em audiência pública

 Venda Nova do Imigrante abre inscrições para curso de produção de pupunha

ExpoSul Rural 2019 supera expectativa dos organizadores e movimenta R$ 25 milhões em negócios

Adesão ao Susaf permite que Castelo comercialize seus produtos em todo o Espírito Santo

ExpoSul Rural apresenta tecnologias e inovação para o setor agro

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web