Operação Rubi

Gaeco faz operação em Presidente Kennedy, Marataízes, Jaguaré, Piúma, Cachoeiro, Linhares, Jerônimo Monteiro e na Grande Vitória

O objetivo é desarticular e colher provas relativas à atuação de uma organização criminosa constituída para lesar os cofres públicos dos municípios

Por | 09.05.2019

O Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), por meio da Subprocuradoria-Geral de Justiça Judicial e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), com o apoio do Núcleo de Inteligência da Assessoria Militar do MPES e da Polícia Militar, deflagrou nesta quarta-feira (08) a Operação Rubi.

O objetivo é desarticular e colher provas relativas à atuação de uma organização criminosa constituída para lesar os cofres públicos dos municípios de Presidente Kennedy, Marataízes, Jaguaré e Piúma por possível direcionamento licitatório em favor de pessoas jurídicas contratadas, pagamento de vantagem indevida a agentes públicos e superfaturamento de contratos administrativos de prestação de serviço público.

A operação cumpriu cinco mandados de prisão temporária, cinco mandados de afastamento funcional de agentes públicos e 11 mandados de proibição de acesso às dependências de órgãos públicos.

Também foram sendo cumpridos 25 mandados de busca e apreensão pelos agentes do Gaeco, sendo nove em Presidente Kennedy, cinco em Marataízes, dois em Jaguaré, um em Piúma, um em Cachoeiro de Itapemirim, um em Linhares, um em Jerônimo Monteiro, dois na Grande Vitória e dois no Estado do Rio de Janeiro, emitidos pelo juízo da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo. Residência de investigados e dependências de órgãos públicos e de empresas suspeitas de integrar o esquema são os alvos das ações.

As investigações colheram fortes indícios do envolvimento de agentes políticos e servidores municipais no recebimento de propina de empresários dos ramos de limpeza pública e transporte coletivo como contraprestação a benefícios financeiros em licitações e contratos e possível enriquecimento indevido dos envolvidos.

Ao todo, cinco membros do Ministério Público (um procurador de Justiça e quatro promotores de Justiça) coordenam os trabalhos, auxiliados por 22 agentes do Gaeco e por policiais militares. A partir da agora vão analisar documentos, computadores, dados e depoimentos de investigados e testemunhas que serão colhidos nas próximas semanas.

Os crimes investigados estão previstos no Dec-Lei nº 201/67, na lei nº 12.850/13 (organização criminosa), lei nº 8.666/93 (fraude em licitações), Lei n. 9.613/98 (lavagem de dinheiro), além de corrupção ativa, passiva e falsidade documental.?

 

 

Comentários Facebook


Mais Política

Tininho tem o DNA de Marataízes, diz Marcos Mansur

Gaeco realiza operação em diversas cidades do Sul do ES

Câmara de Cachoeiro aprova recursos para construção e reforma de pontos de ônibus

Sobre PSL, Bolsonaro diz que todo casamento é passível de divórcio

Deputada alerta para aumento de feminicídio no Estado

Novas leis pretendem coibir violência contra mulher no ES

DEM abre processo de expulsão contra vereador aliado de Ferraço e Norma em Itapemirim

Possível retirada do DNPM do ES mobiliza deputados capixabas

Divisão do pré-sal deve ser votada nesta quarta na Câmara, diz líder no Senado

Em resposta a jornal, parlamentares rechaçam prejudicar ambiente de negócios do Estado

Moro diz não ver problema com fiscalização de ações policiais

Mário Louzada e o novo ciclo político-administrativo para Vargem Alta

Bolsonaro critica medida do prefeito Juninho, de Cariacica, e ameaça tirar Força Nacional; Veja o vídeo

Deputados aprovam mudanças na CNH Social

Deputado do ES pede prisão de presidente da Renova

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web