Saúde no País

Gripe já matou 99 pessoas no Brasil; vacinação segue até 31 de maio

O último balanço da vacinação mostra que, até a última terça-feira (7), 45,3% da população prioritária havia sido imunizada.

Por | 13.05.2019

Agência Brasil  

Até 27 de abril, pelo menos 535 pessoas foram hospitalizadas este ano no Brasil por síndrome respiratória aguda grave causada por influenza e 99 morreram em decorrência do quadro.

De acordo com o Ministério da Saúde, do total de óbitos, 90% ocorreram em pessoas que já apresentavam fatores de risco para a gripe, como idosos, pacientes com doença crônica, crianças, gestantes, indígenas e puérperas.

O novo boletim epidemiológico revela que o vírus H1N1 é predominante no país, até o momento, e responsável pela maior parte das mortes por influenza – sozinho, ele responde por 254 casos e 89 óbitos. Foram identificados ainda 54 casos de influenza A (H3N2); 38 de influenza A não subtipado; e 62 casos de influenza B. Outros 127 casos, segundo a pasta, ainda não tiveram o subtipo identificado.

Ainda de acordo com o levantamento, nos primeiros meses de 2019, a circulação de vírus do tipo influenza se deu com maior intensidade e de forma localizada no Amazonas, que registrou 139 casos e 35 óbitos. O estado de São Paulo também se destaca, com 107 casos e 7 óbitos.

Outros estados registraram mortes são: Paraná (11); Pará (7); Espírito Santo (6); Tocantins (5); Rio Grande do Norte (4); Ceará (3); Rondônia (3); Acre (2); Alagoas (2); Sergipe (2); Rio de Janeiro (2); Santa Catarina (2); Mato Grosso do Sul (2); Amapá (1); Bahia (1); Minas Gerais (1); Rio Grande do Sul (1); Mato Grosso do Sul (1), além do Distrito Federal (1).

Campanha

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza começou no dia 10 de abril e segue até 31 de maio em todo o país. Devem receber a dose trabalhadores da saúde; indígenas; idosos; professores; pessoas com doenças crônicas e outras categorias de risco clínico; população privada de liberdade, incluindo jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas; funcionários do sistema prisional; e profissionais das forças de segurança e salvamento.

O último balanço da vacinação mostra que, até a última terça-feira (7), 45,3% da população prioritária havia sido imunizada. Entre os grupos, as puérperas registraram maior cobertura vacinal (64,3%), seguido por idosos (52,5%), gestantes (51,2%), crianças (48%) e indígenas (45,1%).

Os grupos que menos se vacinaram foram profissionais das forças de segurança e salvamento (10,9%), população privada de liberdade (11,9%), pessoas com comorbidades (34,3%), funcionários do sistema prisional (35,8%), trabalhadores de saúde (40,3%) e professores (41,2%).

 

 

Comentários Facebook


Mais Saúde

Câncer: Inca alerta para sinais e sintomas persistentes em crianças

Pesquisa revela o comportamento digital dos médicos no Brasil

A pedido de Dr. Thiago Peçanha, ex-prefeito de Itapemirim será homenageado em UTI do Hospital Santa Helena

Farmácia Cidadã de Atílio Vivácqua passa a funcionar direto, sem intervalo para almoço

Tabela SUS Capixaba para exames é publicada no Diário Oficial

Dia Mundial de Combate ao Câncer: médicos recomendam atividade física

Moradores afetados por enchente podem se vacinar contra hepatite A em seis locais

Número de mortes pelo coronavírus ultrapassa 300 na China

Casos suspeitos de coronavírus sobem para 12 no Brasil

Centro de Operações Estratégicas elabora plano para conter coronavírus

Regiões de Cachoeiro atingidas por enchente terão vacinação contra hepatite A

Cachoeiro intensifica ações de combate a endemias após enchente

Secretaria de Saúde orienta população sobre cuidados pós-enchente

Prefeito de Itapemirim determina atendimento prioritário à população atingida pela enchente

Médico explica câncer de pulmão agressivo de Ana Maria Braga

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web