Dois rins e um fígado

No ES, mais três pessoas ganham nova chance após doação de órgãos

De janeiro a abril deste ano, a Central realizou 117 transplantes no Espírito Santo. No mesmo período em 2018 foram 123 procedimentos realizados.

Por | 00.00.

A Central Estadual de Transplante do Espírito Santo divulgou, na tarde desta terça-feira (21), a doação de dois rins e um fígado. O doador, de 39 anos, teve morte encefálica confirmada na segunda (20), no Hospital Estadual Roberto Arnizaut Silvares (HRAS), em São Mateus.

Os órgãos foram transportados na tarde desta terça-feira (21), pelo helicóptero do Núcleo de Operações e Transportes Aéreo (Notaer), da Polícia Militar do Espírito Santo (PMES), junto à equipe de captação. Os transplantes acontecem no final deste dia. Os órgãos foram encaminhados para a realização de transplante em dois hospitais da Grande Vitória.

“Três pessoas serão beneficiadas com a solidariedade de uma família doadora, da região Norte. A Central agradece a equipe do Hospital Roberto Silvares pelo compromisso, e ao Notaer, que nos auxiliou no translado dos órgãos”, agradeceu a coordenadora da Central Estadual de Transplante, Maria Machado.

 

Números Atualizados

De janeiro a abril deste ano, a Central realizou 117 transplantes no Espírito Santo. No mesmo período em 2018 foram 123 procedimentos realizados.

Até esta terça-feira (21), a Central registrou três pessoas à espera de um coração, 174 pessoas aguardando por um transplante de córneas, 35 precisando de doação de fígado e 941 pessoas esperando um rim.

 

O processo de doação

A captação dos órgãos acontece somente após constatação de morte encefálica, ou seja, quando há completa e irreversível parada de todas as funções do cérebro.

Esse diagnóstico é realizado por uma equipe profissional por meio de exames de imagem, exames clínicos e exames laboratoriais. Após a confirmação da morte encefálica, a família é comunicada sobre a situação irreversível e decide sobre a doação dos órgãos de seu ente.

Esse momento de abordagem, segundo Maria Machado, é muito delicado devido ao sofrimento dos familiares no momento da perda. Ela destacou que quando a pessoa informa a família sobre o desejo de doar seus órgãos, a decisão é menos dolorida para os familiares.

“Por isso é importante que as pessoas conversem em casa sobre seu desejo e, mesmo em um momento de dor, a família opta pela doação. Uma vida pode salvar até sete outras vidas”, destacou.

Todas as pessoas podem ser doadoras de órgãos. Para isso, basta ter condições adequadas de saúde.

 

 

 

 

Comentários Facebook


Mais Saúde

ONG pede à África do Sul que legalize prostituição para combater HIV

Cachoeiro recebe 1º Fórum Sul Capixaba de Saúde Corporativa

Estado amplia vacinação contra o sarampo para crianças de 6 a 11 meses que forem viajar

Extensão do Pronto Atendimento Infantil atendeu 1,4 mil em dois meses

Nova sede da ESF Cidade Nova é inaugurada em Marataízes

Membros da Unimed Federação Espírito Santo percorrem obras do novo Hospital Unimed

Aeroporto e Boa Vista recebem mutirão contra mosquito da dengue neste sábado

Obras no trevo de acesso ao novo Hospital Unimed vão garantir mais segurança no trânsito da região

Unimed Sul Capixaba inaugura unidade de atendimento em Iconha 

Estudo revela que 80% de diabéticos podem ter doenças cardiovasculares

Governo do Estado entrega nove leitos de UTI no Hospital Padre Máximo, em Venda Nova do Imigrante

No Dia do Homem, endocrinologistas fazem campanha contra anabolizantes

Estudo mostra que adolescentes de faixas carentes estão mais obesos

Em reforma, Centro de Saúde de Cachoeiro mantém 300 atendimentos diários

Inverno requer cuidados contra a dengue

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web