Em Guarapari

Justiça capixaba nega indenização a paciente que ficou com pedaço de agulha no braço após cirurgia

Ela realizou um procedimento cirúrgico em razão de uma tendinose e sustenta que suas dores pioraram após o “erro médico”

Por | 27.05.2019

A 2ª Vara Cível de Guarapari julgou improcedente o pedido de indenização feito por uma mulher que, após realizar uma cirurgia, descobriu que o médico havia deixado um pedaço de agulha em seu braço. Após avaliar o caso, um perito sustentou que a fatalidade não é incomum neste tipo de procedimento e que o ocorrido não é capaz de prejudicar a saúde dela. Tais afirmativas foram essenciais para a sentença.

De acordo com a autora da ação, ela realizou um procedimento cirúrgico com objetivo de corrigir tendinopatia supra e infraespinal (tendinose) e bursopatia subdeltoidea/subacromial. A requerente também afirmou que, por erro médico, fora deixado um pedaço de agulha dentro do osso do seu braço. Devido a tais fatos, ela requereu a compensação por danos morais e materiais.

Em sua defesa, o médico justificou o fato pelas condições técnicas da cirurgia. “Durante um procedimento operatório é factível ocorrer, principalmente quando se sutura tecido de consistência intensa (como tendão e osso) a quebra de agulha havendo dificuldade de encontrar a parte quebrada. Tal fato não está relacionado diretamente à atuação do cirurgião”, alegou.

Durante análise da ação, o juiz observou que somente depoimentos dos envolvidos não davam conta de embasar sua decisão, por isso o magistrado solicitou um parecer pericial sobre o caso. Após examinar o caso, o parecer técnico sustentou a afirmação do réu.

“O esquecimento de material cirúrgico no interior do corpo de um paciente, embora indesejado, é um fato que ocorre, eventualmente, por uma série de razões que fogem aos objetivos desta perícia. O próprio CFM (Conselho Federal de Medicina) reconhece que isto é um fato”, afirmou.

A autora da ação justificou seu pedido de indenização por danos morais afirmando que as fortes dores físicas que ela sentia, foram intensificadas após a cirurgia, indicando ser consequência do fragmento de agulha. Tal afirmação também foi refutada pela perícia. “É possível concluir ainda que, o fragmento de fio metálico, ainda existentes, pelas suas características e localização é inócuo, isto é, não resulta em nenhum prejuízo à saúde da Autora”, destacou.

Ainda sobre tal alegação, o médico afirmou que as dores citadas pela mulher não possuem relação com a agulha. “… o procedimento cirúrgico pode não eliminar a dor, mas apenas diminuí-la; o exame cujo resultado foi apresentado neste ato, aponta para novo rompimento do tendão, o que não tem nenhuma relação com o fragmento objeto da demanda”, declarou.

Após análise dos autos e do parecer técnico, a juíza considerou os pedidos autorais improcedentes.

Processo nº 0007801-51.2013.8.08.0021

 

 

Comentários Facebook


Mais Geral

Estado investe mais de R$ 5 milhões em máquinas, veículos e equipamentos para 31 municípios

Brechó Solidário terá peças femininas, masculinas e infantis a partir de R$ 10

Instituto de Previdência de Cachoeiro apresenta novos conselheiros

Bolsa Família reduziu 25% da taxa de extrema pobreza, aponta Ipea

Casa de shows de Castelo é condenada em R$ 67.759,68 por não pagar direitos autorais de músicas

Único apostador ganha prêmio de R$ 30 milhões na Mega-Sena

Aneel define redução da tarifa de energia da EDP no Espírito Santo

Em Castelo, mulher que diz ter caído em chão escorregadio de casa noturna tem pedido de indenização negado

Detran|ES disponibiliza nada consta de CNH no formato digital

Prefeitura de Bom Jesus do Norte e fabricante de brinquedos terão de indenizar menino que fraturou costela após cair de escorregador

Fraudes em registros de veículos no Espírito Santo levam dez pessoas para prisão

Ministério Público realiza operação em seis municípios capixabas

Praça Jerônimo Monteiro terá aulão de zumba nesta sexta-feira

Feira de Negócios capacitou mais de 2,5 mil pessoas em Cachoeiro

Expedição marca reinauguração da Trilha do Pico do Forno Grande, em Castelo

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web