Saneamento básico no Brasil

Crítico em muitas regiões, índice de perdas de água em Cachoeiro é um dos melhores do país

Estudo divulgado pelo Instituto Trata Brasil mostra que país perde em média 38% da água que é captada. Em 20 anos, Cachoeiro de Itapemirim saiu de uma perda total de 56% para 25,05%, um dos melhores índices do País, contra 37,98% da média nacional

Por | 17.06.2019

 O Instituto Trata Brasil, instituição sem fins lucrativos que atua para o desenvolvimento do saneamento básico no Brasil, em parceria com a GO Associados, divulgou neste mês um estudo que chama a atenção para um problema grave no País: em média, 38% de toda a água captada no Brasil se perde em vazamentos, ligações clandestinas e falhas de leitura de hidrômetro. A perda financeira é da ordem de R$ 11 bilhões em todo o país, valor superior ao total investido anualmente em saneamento. 

O custo ambiental também é altíssimo. Nada menos do que 6,5 bilhões de m³ de água, o equivalente a mais de 7 mil piscinas olímpicas, são desperdiçados. Em Roraima, estado com o pior índice, a perda na distribuição chega a 75%, o que significa que, a cada 100 litros de água captada 75 litros se perdem antes de chegar às pessoas. Em seguida, estão Amazonas (69%) e Amapá (66%).

Em Cachoeiro de Itapemirim, a BRK Ambiental tem um trabalho estruturado voltado exclusivamente ao controle de perdas. Até 1997, o índice na cidade era acima de 55%. Com a concessão dos serviços de água e esgoto à iniciativa privada em 1998, que completará em julho próximo 21 anos, os investimentos contínuos na modernização de redes aliados a um trabalho intenso de mapeamento de áreas mais sensíveis e a um corpo técnico que aplica tecnologia para identificar esses vazamentos contribuíram para reduzir o índice de perdas totais para 25,05%. 

"O controle de perdas é um dos itens mais importantes de uma operação de saneamento básico. A concessionária investe muito em tecnologia para buscar formas de identificar e corrigir vazamentos com mais agilidade porque sabemos que isso tem um impacto ambiental muito significativo”, destaca Bruno Ravaglia, diretor da BRK Ambiental em Cachoeiro de Itapemirim.

Segundo Ravaglia, a empresa possui um Programa de Redução de Perdas (vazamentos) com atividades para controle ativo de vazamentos realizados diariamente, com pesquisas de vazamentos não aflorados. A BRK Ambiental ainda está investindo, em 2019, R$ 1.034.654 em obras para a redução de perdas com a continuidade da modernização do sistema de distribuição de água.

 

 

Comentários Facebook


Mais Meio Ambiente

Óleo atinge local de desova de tartarugas no Espírito Santo

Na foz do Rio Doce, pescadores temem que óleo agrave tragédia

Fuzileiros vão tentar localizar manchas de óleo no Espírito Santo

Recanto sagrado dos yanomami, Pico da Neblina deve ser reaberto

Ambientalista diz que Cachoeiro tem 80% de esgoto tratado

Primavera começa, mas chuvas devem se fixar apenas em outubro

Temperatura média do planeta pode subir 3,4°C até 2100

Projeto Tamar anuncia marca de 40 milhões de tartarugas protegidas

Programa Cuidar Mais reforça ideia de preservação de recursos naturais em Cachoeiro

Rede Brasil do Pacto Global e BRK Ambiental lançam vídeos sobre os impactos do saneamento básico

Cachoeiro recolhe quantidade expressiva de pilhas e baterias de celular usadas

Ministro do Meio Ambiente é internado em Brasília

Coleta de pilhas e baterias de celular começa nesta quarta, em Cachoeiro

Pinguins começam a chegar ao Espírito Santo

Governo assina novo Acordo de Cooperação para revitalização da Bacia do Rio Itapemirim

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web