Meio Ambiente e Recursos Hídricos

Governo assina novo Acordo de Cooperação para revitalização da Bacia do Rio Itapemirim

São compromissos que irão definir novos conceitos e metodologias gerais de intervenção na região para promover a disponibilidade hídrica na Bacia

Por | 12.07.2019

Foto: Hélio Filho/Secom

Ampliar o olhar sobre novas soluções para a Bacia do Rio Itapemirim. Esse é o desafio das Secretarias de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Seama) e de Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), em conjunto com o Instituto Espinhaço e o Instituto Pacto pelas Águas Capixabas. Para isso, foi firmado nesta quinta-feira (11) um Acordo de Cooperação entre o Governo do Estado e as organizações civis para dar início a uma nova diretriz rumo a desafios de sustentabilidade hídrica e socioeconômica da bacia.

São compromissos que irão definir novos conceitos e metodologias gerais de intervenção na região para promover a disponibilidade hídrica na Bacia, além de políticas de conservação e manejo do solo e na recuperação da vegetação nativa, entre outras ações de promoção ao desenvolvimento socioeconômico. O evento realizado em Cachoeiro de Itapemirim contou com a presença do governador Renato Casagrande.

Em sua fala, Casagrande ressaltou a importância da conservação do meio ambiente e a necessidade de trilharmos um caminho diferente do que foi percorrido até hoje. “Não podemos continuar despejando esgoto sem tratamento, fazendo o uso inadequado do solo e destruindo os nossos recursos naturais. A Bacia do Rio Itapemirim ficou muito destruída, depauperada e é bom ver o movimento da sociedade, o Instituto Pacto Pelas Águas junto ao Instituto Espinhaço, com apoio do Governo para que possamos fazer esse caminho inverso”, afirmou.

O plano de trabalho inclui metas, atividades, cronogramas, define os responsáveis e estipula os resultados esperados para um período total de vigência, até 2023. As ações são focadas na realização conjunta de estudos e na execução de projetos e programas para a conservação da biodiversidade e dos recursos hídricos e naturais, bem como na reabilitação e recuperação das paisagens, áreas e ambientes degradados no meio ambiente urbano e rural.

O governador destacou ainda que a região precisa ser produtiva, recebendo turistas e garantindo os recursos de forma sustentável às futuras gerações. “Feito o projeto, vamos fazer juntos a captação de recursos de agências internacionais. O que estiver ao alcance do Governo nós o faremos para que a gente possa recompor cinco mil hectares de floresta na Bacia do Rio Itapemirim. Além desse projeto que estamos lançando, que possamos com o programa Reflorestar, lançado em nosso primeiro mandato, ampliar ainda mais a cobertura florestal. Quem produz água é a floresta e é importante recuperamos a floresta”, disse.

Para o secretário de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Fabricio Machado, a iniciativa vai agregar e fortalecer até mesmo outros programas já consolidados pelo Governo, como o Reflorestar. “Hoje, o Programa Reflorestar tem uma atuação estratégica nesta bacia na recuperação florestal. Foram mais de 1.500 hectares de florestas recuperados e mais de 700 proprietários rurais alcançados, impactando diretamente na recuperação e disponibilização hídrica. E com o novo Acordo iremos alavancar essa recuperação. Trazendo qualidade as políticas em prol da água que abastece mais de 500 pessoas diretamente na região”, enfatizou.

Durante sua participação no seminário, o secretário de Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca, Paulo Foletto, destacou que é preciso um esforço conjunto para que o meio ambiente seja preservado na região.

“É fundamental construirmos ações conjuntas. Na gestão pública, é importante que possamos nos aproximar, tanto das organizações privadas, quanto dos organismos sociais e governamentais, para que essas situações sejam resolvidas. Os problemas relacionados ao meio ambiente já existem há um bom tempo e precisamos cuidar dessa questão. Desde a última expedição pelo Rio Itapemirim, que mostrou uma piora na situação da bacia no sul do Estado nos últimos 15 anos, é fundamental que aconteça a união de todos para a melhora da situação dessa bacia”, asseverou.

Para Foletto, a experiência do Governo do Estado e dos parceiros é fundamental no resgate da Bacia. “Tenho certeza de que essa parceria que está sendo construída, que une a maior rede de comunicação do Estado, juntamente com esses institutos que possuem uma grande experiência no assunto, certamente trará grandes resultados para toda a região. Não podemos nos esquecer do trabalho dos órgãos governamentais, que contribuem, de forma significativa, nesse processo”, comentou.

A Agência Estadual de Recursos (Agerh) é uma das partes do Acordo de Cooperação. A autarquia entregou no último mês de março o Plano de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Itapemirim, que traça diagnósticos e prognósticos da água que banha a região de quase 6 mil km2 entre o Caparaó e o litoral sul do Estado. No documento estão previstas ações de curto, médio e longo prazo para revitalizar o ecossistema e promover o desenvolvimento sustentável da bacia.

De acordo com o diretor-presidente da Agerh, Fabio Ahnert, o plano vai ajudar a formatar o projeto que será proposto pelo acordo. “O Plano de Bacia já aponta o que devemos fazer em até 20 anos. O acordo vai fortalecê-lo e ajudar o Estado a executá-lo”, disse. Ahnert frisou ainda que o Estado já está atuando na Bacia, investindo em saneamento nos municípios da região do Caparaó. Ele salientou a importância das iniciativas independentes em prol da água, que fortalecem ainda mais as estratégias de desenvolvimento sustentável.

O Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) também fará parte dos esforços para preservação dos recursos naturais. “O tema é de extrema importância para a recuperação de áreas degradadas e ajudamos na mobilização junto ao Governo do Estado para que juntos e comprometidos com essa ação possamos expandir a todas as bacias hidrográficas do Espírito Santo”, afirmou o diretor-presidente do Incaper, Antonio Carlos Machado.

A bacia hidrográfica do Rio Itapemirim está localizada na região sul do Estado do Espírito Santo. Possui uma área de drenagem de aproximadamente 5.952 km² e abrange dezessete municípios capixabas: Alegre, Atílio Vivácqua, Cachoeiro de Itapemirim, Castelo, Conceição de Castelo, Ibitirama, Jerônimo Monteiro, Muniz Freire e Venda Nova do Imigrante em sua totalidade, e parcialmente os municípios de Ibatiba, Iúna, Irupi, Itapemirim, Marataízes, Muqui, Presidente Kennedy e Vargem Alta; além de uma pequena parte do município mineiro de Lajinha.

 

 

Comentários Facebook


Mais Meio Ambiente

Óleo atinge local de desova de tartarugas no Espírito Santo

Na foz do Rio Doce, pescadores temem que óleo agrave tragédia

Fuzileiros vão tentar localizar manchas de óleo no Espírito Santo

Recanto sagrado dos yanomami, Pico da Neblina deve ser reaberto

Ambientalista diz que Cachoeiro tem 80% de esgoto tratado

Primavera começa, mas chuvas devem se fixar apenas em outubro

Temperatura média do planeta pode subir 3,4°C até 2100

Projeto Tamar anuncia marca de 40 milhões de tartarugas protegidas

Programa Cuidar Mais reforça ideia de preservação de recursos naturais em Cachoeiro

Rede Brasil do Pacto Global e BRK Ambiental lançam vídeos sobre os impactos do saneamento básico

Cachoeiro recolhe quantidade expressiva de pilhas e baterias de celular usadas

Ministro do Meio Ambiente é internado em Brasília

Coleta de pilhas e baterias de celular começa nesta quarta, em Cachoeiro

Pinguins começam a chegar ao Espírito Santo

Governo assina novo Acordo de Cooperação para revitalização da Bacia do Rio Itapemirim

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web