fim de julho e início de agosto

Pinguins começam a chegar ao Espírito Santo

Os pinguins que não conseguem mais se manter protegidos do frio da água encalham em busca de calor

Por | 31.07.2019

Foto: divulgação

O período entre fim de julho e início de agosto marca a chegada dos pinguins em terras capixabas. No momento, um pinguim está em tratamento no Instituto de Pesquisa e Reabilitação de Animais Marinhos (Ipram), instituição que operacionaliza o Centro de Triagem e Reabilitação de Animais Silvestres (Cetras) do Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema), em Jardim América, Cariacica.

“Recebemos apenas um pinguim até agora. Ele veio de Anchieta, pois encalhou e estava com quadro típico dos pinguins que encalham todos os anos no Espírito Santo, ou seja, estava magro, fraco, morrendo de fome e sem camada de gordura”, informa Luis Felipe Silva Pereira Mayorga, médico veterinário e diretor-presidente do Ipram.

Os pinguins que não conseguem mais se manter protegidos do frio da água encalham em busca de calor. “Por isso é importante frisar que um pinguim encalhado tem que ser aquecido. Muitas pessoas associam o pinguim ao gelo e refrigeram o animal, o que acaba levando a óbito”, alerta. No ano de 2018, o Ipram atendeu oito pinguins e a expectativa é de que cheguem mais animais este ano.

Caso algum pinguim seja encontrado nas praias, é imprescindível mantê-lo seco e aquecido seja numa caixinha de papelão, com jornal ou com uma toalha seca cobrindo-o. Não é recomendável alimentar o animal. “Nossa maior campanha é essa, para as pessoas não colocarem o pinguim no gelo”, reforça Luis Felipe Mayorga.

Monitoramento de praias

No Espírito Santo existe o projeto de monitoramento de praias da Petrobras, que atende pelo número 0800-0395005 em horário comercial. Sendo assim, qualquer animal marinho encontrado no litoral pode ser comunicado pelo 0800. Desta forma, um profissional será enviado para resgatar o animal, vivo ou morto, e direcioná-lo para atendimento veterinário.

“Boa parte dos animais marinhos encontrados vai para o Ipram, sejam tartarugas marinhas, aves marinhas ou pinguins”, ressalta o diretor-presidente. No entanto, caso a pessoa encontre um animal marinho em horário não comercial, como de madrugada, pode ligar para o plantão do Instituto no (27) 99865-6975. “As pessoas devem sempre tentar, prioritariamente, o número da Petrobras para o resgate. O telefone do Ipram é mais um reforço”, observa.

Acordo de cooperação técnica

O Ipram assinou um novo acordo de cooperação técnica com o Iema para operacionalizar a estrutura do Centro de Triagem e Reabilitação de Animais Silvestres (Cetras-Iema). No Estado há projetos semelhantes, como o Cereias, Cetras/Ibama e outras organizações que atendem animais silvestres, no entanto, o Cetras/Iema tem como foco o atendimento a animais marinhos.

“Desde o início, nossa parceria com o Iema teve o olhar para atender pinguins que encalham em grande quantidade e demandam uma resposta do poder público, pois isso gera custos e expõe a população a patógenos. Antes dessa estrutura no Iema, muitas pessoas levavam os pinguins para suas casas e ficavam sujeitas à contaminação por parasitose ou ferimentos por bicadas. A parceria do Ipram com o Governo do Estado, por meio do Iema, vem desde 2012 e assim começamos a prestar uma resposta especializada à sociedade”, explica Luis Felipe Mayorga.

O Iema já fez outros acordos de cooperação com o Ipram, a diferença do novo trato é o formato, pois foi feito um edital de chamamento público que proporcionou mais transparência ao processo, com participação de várias instituições.

“A assinatura do novo acordo com o Iema vai permitir que a gente continue atendendo os animais marinhos no Estado e, emergencialmente, outros animais também, como foi o caso do tatu de rodinhas, gaviões e gambás”, considera Mayorga.

“O Ipram já é um parceiro de longa data do Iema e tem muita importância para nós. O Instituto traz para a estrutura do Iema um conhecimento que, na prática, o órgão não tem, como o conhecimento de lidar dia a dia com o animal. Isso nos traz a segurança de que os animais estão sendo muito bem tratados. A importância de fazer esse novo acordo de cooperação técnica é garantir que os animais vão continuar sendo bem tratados e que vamos poder dar o suporte que o Ipram precisa para continuar executando o trabalho”, reforça Weslei Pertel, coordenador de fauna do Iema.

Ele frisa que, de acordo com a legislação, o acompanhamento e monitoramento são voltados para os resultados e, sendo assim, toda etapa vai ser fiscalizada pelo gestor da parceria com o Ipram. Tal fiscalização irá avaliar os resultados e os impactos gerados para a sociedade.

 

 

Comentários Facebook


Mais Meio Ambiente

Óleo já atingiu pelo menos 675 áreas de 116 cidades, informa Ibama

Devido ao vazamento de óleo no Nordeste, praias de Itapemirim são monitoradas diariamente

Victor Coelho assina pacote de medidas ambientais em Cachoeiro

Óleo atinge local de desova de tartarugas no Espírito Santo

Na foz do Rio Doce, pescadores temem que óleo agrave tragédia

Fuzileiros vão tentar localizar manchas de óleo no Espírito Santo

Recanto sagrado dos yanomami, Pico da Neblina deve ser reaberto

Ambientalista diz que Cachoeiro tem 80% de esgoto tratado

Primavera começa, mas chuvas devem se fixar apenas em outubro

Temperatura média do planeta pode subir 3,4°C até 2100

Projeto Tamar anuncia marca de 40 milhões de tartarugas protegidas

Programa Cuidar Mais reforça ideia de preservação de recursos naturais em Cachoeiro

Rede Brasil do Pacto Global e BRK Ambiental lançam vídeos sobre os impactos do saneamento básico

Cachoeiro recolhe quantidade expressiva de pilhas e baterias de celular usadas

Ministro do Meio Ambiente é internado em Brasília

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web