1ª Vara de Castelo

Em Castelo, mulher que diz ter caído em chão escorregadio de casa noturna tem pedido de indenização negado

Em juízo, uma testemunha afirmou que a própria autora teria alegado não ter visto a escada e, por estar distraída, teria sofrido a queda

Por | 06.08.2019

A 1ª Vara de Castelo negou o pedido de indenização ajuizado por uma mulher que afirmava ter sofrido uma queda nas dependências de uma casa de shows do município. Na ação, ela defendia que o acidente ocorreu devido a falta de sinalização acerca do piso escorregadio do local.

Segundo a autora, ela estava em um evento realizado na casa de shows da requerida, quando teria escorregado próximo a uma escada que leva ao banheiro do estabelecimento. Desta forma, a requerente afirma ter sido prejudicada pela má prestação de serviço por parte da ré e, por isso, pedia pela condenação da requerida ao pagamento de indenização por danos morais e materiais.

Em contrapartida, a casa de shows defendeu que o acidente teria ocorrido por culpa exclusiva da vítima, que não tomou os devidos cuidados ao transitar até o banheiro do estabelecimento.

Em análise do caso, o juiz destacou não ser possível acolher os argumentos da autora. “[…] Em nenhum momento do que se pode avaliar do conjunto probatório, ficou caracterizado que o estabelecimento não se incumbiu de zelar e tomar providências necessárias para os clientes que se encontravam no evento festivo”, justificou.

O magistrado ainda destacou que a alegação da requerente não encontrou amparo ante depoimento das testemunhas. “O piso não estava molhado […] o fato ocorreu por volta de 02:30 horas […] toda a escada é servida por corrimão, inclusive no acesso da escada”, destacou uma testemunha, que é responsável por cuidar do banheiro feminino do local.

Outra testemunha ainda afirmou ter tido outra informação sobre o motivo que levou ao acidente. “[…] Ouviu a autora falar que não viu a escada, e como estava olhando para o palco, sofreu a queda”, afirmou a depoente em juízo.

Após análise, o magistrado julgou improcedente o pedido da parte autora. “Não ficou demonstrado que o piso se encontrava escorregadio tornando-o vulnerável a acidentes ou mesmo que a requerida deixou de cumprir determinações de segurança que expusessem os clientes da casa a risco, tratando-se de situação isolada, sobre a qual não se encontram outros relatos de acidentes acontecidos naquele local”, concluiu o juiz.

 

 

Comentários Facebook


Mais Geral

Procon do ES divulga balanço e telefonia lidera reclamações

Fevereiro de chuva e calor no Espírito Santo

TV Assembleia ganha novos produtos e identidade visual

Prefeitura de Itapemirim emite nota sobre acidente no parque de diversões

Mega-sena acumula e pode pagar R$ 80 milhões na próxima quarta-feira

Município de Anchieta vai indenizar jovem que sofreu fratura ao ser atingido por trave de futebol

Chuva: prejuízo estimado supera R$ 88 milhões na agropecuária capixaba

Governador sanciona leis com medidas de reestruturação dos municípios afetados pelas chuvas

Governador e ministro discutem apoio federal na reconstrução de cidades atingidas pelas chuvas no ES

Governo disponibiliza R$ 90 milhões para regiões atingidas por chuvas

Chove no Espírito Santo neste domingo

Força-tarefa para atendimento ao público afetado pelas chuvas começa na próxima terça

Aderes e Prefeitura de Cachoeiro debatem retomada da Ascomirim

Irmãos somam 1.035 anos e batem recorde brasileiro

Rodovias estaduais interditadas em Rio Novo do Sul e Alfredo Chaves

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web