Organização não governamental

ONG pede à África do Sul que legalize prostituição para combater HIV

A defesa está no relatório de 70 páginas "Porque o trabalho do sexo deve ser descriminalizado na África do Sul"

Por | 07.08.2019

Por RTP*  Brasília

Foto - Arquivo/Agência Brasil

 

A organização não governamental Human Rights Watch (HRW) recomenda à África do Sul que legalize a prostituição, considerando que o governo impede os esforços para acabar com a epidemia do HIV ao tratar o trabalho sexual como crime.

No relatório de 70 páginas "Porque o trabalho do sexo deve ser descriminalizado na África do Sul", divulgado em Joanesburgo, a organização de defesa dos direitos humanos defende que as autoridades sul-africanas "deveriam descriminalizar a troca de sexo por dinheiro praticada consensualmente por adultos", levando em conta o bem-estar e a segurança dos trabalhadores do sexo.

"Os profissionais do sexo na África do Sul enfrentam prisão, detenção, assédio e abuso da polícia, o que também os impede de denunciar violações ou outros ataques brutais de que são alvo", afirma Liesl Gerntholtz, vice-diretora executiva do Human Rights Watch.

"Em todo o mundo, nós e outros grupos de direitos humanos encontramos os mesmos padrões de abuso onde o trabalho sexual é criminalizado", afirma.

A venda de sexo é ilegal na África do Sul, lembra a organização internacional, acrescentando que a prática foi criminalizada em 2007 pelo Governo do Congresso Nacional Africano (ANC, sigla em inglês), no poder desde a queda do apartheid(regime de segregação racial que vigorou no país) em 1994.

A legislação sul-africana também proíbe a propriedade ou frequência a "bordéis", obter rendimentos com a "prostituição" e persuadir uma mulher para a prática, diz a HRW.

Baseado em pesquisa realizada entre maio e junho de 2018 pela Human Rights Watch em quatro províncias da África do Sul, o levantamento mostra a forma como a criminalização do trabalho do sexo "alimenta violações dos direitos humanos contra profissionais do sexo, inclusive por agentes policiais, e impede o seu direito à saúde".

"Os profissionais do sexo também relataram serem explorados sexualmente pela polícia e obrigados a pagar subornos aos agentes policiais", afirma o HRW no relatório. O trabalho destaca ainda inconsistências profundas entre os diferentes órgãos do governo sul-africano na sua abordagem ao trabalho sexual.

A organização norte-americana fala dos esforços do Ministério da Saúde da África do Sul para apoiar as profissionais do sexo no acesso à saúde pública, enquanto o sistema de justiça criminal adota "abordagem punitiva".

Entre as recomendações, a HRW apela ao Ministério da Justiça e Desenvolvimento Constitucional para que introduza uma nova lei que elimine sanções criminais e administrativas contra o trabalho sexual voluntário consensual de adultos e dê assistência aos direitos constitucionais dos profissionais do sexo, incluindo o direito ao trabalho de acordo com a legislação.

A África do Sul tem a maior incidência da epidemia de HIV no mundo - 19% da população mundial infectada com o HIV reside no país.

*Agência pública de televisão de Portugal

 

 

Comentários Facebook


Mais Saúde

Após investimento de R$ 700 mil, Pronto Atendimento Paulo Pereira vai ser reaberto dia 19

2ª etapa da campanha nacional de vacinação contra o sarampo será de 18 a 30 de novembro

Hospital promove reencontro de paciente e cãozinho de estimação

Em Cachoeiro, campanha UNIODONTO informa sobre riscos do câncer de boca

Unimed Sul promove ação de conscientização sobre câncer de próstata neste sábado

Castelo ganha nova unidade de atendimento da Unimed Sul Capixaba

Prefeito Dorlei Fontão anuncia construção do Hospital Municipal de Presidente Kennedy

Casos de morte por dengue aumentam 5 vezes em relação ao ano passado

Governo do Estado vai credenciar instituições privadas para oferta de consultas especializadas

Evento em Cachoeiro debaterá judicialização da saúde pública

Novembro Azul: 5 fatos sobre o câncer de próstata que você não sabia

Câncer de mama: ES tem 1.100 casos por ano

Medidas antitabaco diminuíram em 40% o número de fumantes no Brasil

Retinopatia diabética atinge 40% dos brasileiros

Unimed Sul realiza exames oftalmológicos gratuitos  em estudantes de Marataízes

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web