Helder Salomão

Deputado capixaba entregará ao Conselho da ONU relatório sobre violações de direitos praticadas pelo governo federal

O documento trata de 25 pontos, como genocídio da juventude negra, entre tantos outros

Por | 13.09.2019

Foto: divulgação/ Câmara dos deputados

Na próxima segunda-feira (16), o presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, deputado Helder Salomão (PT-ES), vai entregar para o Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra, na Suíça, um relatório sobre a situação dos direitos humanos no Brasil. O documento “Direitos Humanos no Brasil 2019” pontua o caminho contrário do governo federal em relação às recomendações da Revisão Periódica Universal de 2017.

O documento trata de 25 pontos, como exemplo, do genocídio da juventude negra, letalidade policial e execução sumária; a situação do sistema carcerário e os massacres; extinção dos mecanismos de controle e participação social; violência no campo; desigualdade racial; violência contra as mulheres; redução das políticas de drogas, saúde mental e HIV/Aids e ataques à preservação do meio ambientes.

A Revisão Periódica Universal (RPU) é o mecanismo da Organização das Nações Unidas (ONU), que analisa a situação de direitos humanos nos países que fazem parte da organização internacional. O 3° ciclo de revisão do Brasil foi em 2017 e o país recebeu 246 recomendações. O Estado Brasileiro se comprometeu a, em 2019, elaborar e enviar um relatório de meio período sobre o que foi feito sobre essas recomendações, e realizar uma consulta pública para fazer esse documento. Porém, o governo federal já comunicou que não vai entregar esse relatório.

O governo deveria fazer a entrega na próxima semana - 16 a 20 de setembro -, quando o Conselho de Direitos Humanos da ONU se reúne em Genebra, Suíça, para avaliar o que foi feito em relação às recomendações.

O deputado Helder afirma que “será um relatório firme, vigoroso, uma denúncia fruto de audiências públicas e com a voz da sociedade civil e do parlamento. Queremos compartilhar em Genebra os sérios problemas que estamos vivendo, retrocessos promovidos por autoridades constituídas, e deve haver um posicionamento global diante disso”.

Agenda em Genebra

Na pré-agenda da CDHM em Genebra já estão confirmados reunião com representantes do Subcomitê de Prevenção de Combate à Tortura, encontro de trabalho com a relatora especial sobre os direitos dos povos indígenas na ONU, Victoria Tauli-Corpuz e participação no evento paralelo Direitos Humanos no Brasil, durante a Sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU.

Cortes nas políticas públicas

O investimento público previsto no Orçamento para 2020 é o menor da série histórica. Programas voltados à população mais pobre, como o Minha Casa Minha Vida, o Bolsa Família e o financiamento estudantil, terão as menores destinações de recursos desde que foram criados. O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos sofreu 41% de redução.

“O Brasil enfrenta uma política de austeridade recessiva. A Emenda Constitucional 95, de 2016, congelou os gastos e investimentos públicos por 20 anos, preservando o pagamento de juros. Isso implica em redução de todas as políticas públicas e no aumento da desigualdade”, destaca o presidente da CDHM.

Como é feita a avaliação

A avaliação de um Estado se baseia em três documentos: o informe nacional elaborado pelo país que está sendo examinado; uma compilação de informações das ONU sobre o Estado preparada pela Oficina do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), e um resumo da informação apresentada por outros interessados, como as organizações da sociedade civil. Com base nesse material, os representantes dos países membros da ONU fazem as recomendações para o país avaliado. O Brasil já passou por três ciclos de avaliação da Revisão Periódica Universal, em 2008, 2012 e em 2017.

 

 

Comentários Facebook


Mais Política

Crimes cibernéticos aumentam no Espírito Santo

Câmara de Cachoeiro começa implantação da Câmara sem Papel

Deputado quer banir coleira antilatido no ES

Deputados capixabas vão votar projetos a favor de vítimas das chuvas

Câmara de Castelo nomeia primeiro servidor que passou no Concurso Público de 2018

Novo presidente estadual do PSL confirma projeto eleitoral em Cachoeiro

Deputado capixaba quer regras para taxa de esgoto

Sancionada cota para negros e índios em concursos do Espírito Santo

Contarato pede reação a ataques contra indígenas

Em vídeo, Bolsonaro diz que Implementar juiz de garantias é difícil

Senado deve votar Plano Mais Brasil nos primeiros meses de 2020

Proposta de taxar seguro-desemprego não deve avançar no Congresso

Presidente da Câmara de Marataízes faz balanço positivo de 2019 e fecha ano com pacotão de projetos

Reurbanização da orla de Marataízes será entregue à população neste sábado, mas sem palanque oficial

Câmara de Itapemirim não paga 13º aos servidores e vereador Patinho quer punir responsáveis

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web