Números do Espírito Santo

Deputada alerta para aumento de feminicídio no Estado

Janete citou os 65 homicídios de mulheres só em 2019. Região Metropolitana já registrou 31 contra 32 casos no ano passado

Por | 15.10.2019

 Foto: Tati Beling

O crescimento dos assassinatos de mulheres no Espírito Santo foi tema de pronunciamento da deputada Janete de Sá (PMN) durante a sessão ordinária desta segunda-feira (14) na Assembleia Legislativa (Ales). Ela destacou que, mesmo com as políticas públicas adotadas, os números permanecem elevados.

Confira mais fotos da sessão

“Foram 65 homicídios de mulheres até 13 de outubro, em 54% dos assassinatos foram utilizados armas de fogo, mostrando que o armamento nem sempre é melhor solução. É arma na posse de um agressor que está disposto a desferir contra mulher, homem ou animal”, ressaltou.

A parlamentar salientou que 26% das vítimas são mulheres negras e 59% pardas, formando uma ampla maioria. Ela listou as cidades com os maiores índices no Estado: Serra (11), Linhares (8), Cariacica (7), Vila Velha (6), Vitória (3), Colatina (3) e Guarapari (3).

De acordo com a parlamentar, na Região Noroeste houve um incremento de 11,1% dessas ocorrências. Já na Região Metropolitana foram 32 mortes em 2018 e 31 até o momento. “Ainda temos dois meses para terminar o ano e estamos com um homicídio a menos. Há uma estimativa de aumento de 3% a 4%”, argumentou.

Ela ainda frisou que o governo do Estado lançou o programa Agenda Mulher, que é mais uma política pública de enfrentamento à violência e que conta com o apoio dos demais poderes e de instituições públicas e privadas.

“Mesmo diante de todas as ferramentas, como a Lei Maria da Penha, os índices aumentam. Estamos para bater os números do ano anterior. Precisamos de mais ações, de mais educação com matérias transversais. Falo de mulheres e homens, pois o comportamento machista vem de mulheres e homens, precisamos mudar através da educação”, afirmou.

Ao final de seu discurso, Janete, que lidera a Procuradoria da Mulher da Casa, reforçou que o espaço está aberto para as mulheres que sofrem qualquer tipo de violência. “Foi criada junto com a ex-deputada Luzia Toledo (MDB). Você que é vitima de violência pode nos procurar”, garantiu.

Educação

Uma matéria publicada na edição de final de semana do jornal A Gazeta motivou a fala do deputado Sergio Majeski (PSB). A reportagem trazia dados sobre os salários dos professores na rede municipal de ensino, mostrando que quase 30 cidades não pagam o piso salarial da categoria, atualmente em R$ 1.598,59.

“O menor salário pago é em Alto Rio Novo, R$ 906 para o professor de 25 horas, menos que um salario mínimo. Quem melhor paga é Itapemirim, com R$ 2.360; o segundo é Vitória, com R$ 2.099. O salário médio no Estado é algo em torno de R$ 2.200. Isso é vergonhoso!”, disparou.

Majeski informou que apenas o ticket alimentação de membros do Poder Judiciário e do Tribunal de Contas é R$ 2.200. “O município que melhor paga basicamente o salário é um ticket dos juízes. Onde pode haver valorização da educação dessa forma?”, indagou.

Ele lembrou que os planos de carreiras tanto nos municípios quanto no Estado também são pouco atrativos para o magistério. “Entra ganhando R$ 1.500 e depois de 25, 30 anos talvez chegue a R$ 2 mil. É um plano de carreira vergonhoso. Lembrando que os professores trabalham em salas superlotadas, sem ar-condicionado, sem estrutura. Cansei de visitar escolas onde diretores e professores tiram dinheiro do bolso para comprar material. É assim nas redes municipais e no Estado”, lamentou.  

Por fim, o parlamentar recordou que a meta 17 dos planos Nacional e Estadual de Educação indicava que até o quinto ano de vigência deles o salário dos professores deveria ser a média de um profissional com a mesma formação.

“Hoje é metade, quando se fala em salário, o de R$ 1.598 é o de nível médio para professores, não para curso superior. Então ninguém cobre o piso nacional do magistério, que é ridículo, menor que o valor do ticket de um juiz ou conselheiro. Amanhã os professores têm pouco o que comemorar”, falou, fazendo alusão ao Dia dos Professores, comemorado neste dia 15 de outubro.

 

 

Comentários Facebook


Mais Política

Saída do PSL é "separação amigável", diz Bolsonaro

Tininho confirma possibilidade de aliança política com Marco Vivácqua: “Está bem encaminhado”.

Bolsonaro anuncia saída do PSL e criação da Aliança pelo Brasil

Resultado de megaleilão do pré-sal divide opinião de senadores

Secretário da Fazenda presta contas na Comissão de Finanças

Ministério Público requer a prorrogação do afastamento da prefeita de Presidente Kennedy por mais 180 dias

Evair de Melo assume presidência da FrenCOMEX

Marcos Mansur pede providência em rodovia de Cachoeiro

Presidente Erick Musso repudia fala de Eduardo Bolsonaro sobre "novo AI-5"

Surge o nome de Armando Zanata para renovar a política de Alfredo Chaves

No ES, ministro Sérgio Moro elogia Programa Estado Presente em Defesa da Vida

Com 8 partidos, incluindo PSB do governador, Domingos Fracaroli é eleito prefeito de Castelo

Sérgio Moro vem ao ES na próxima terça-feira

Saída de Joice da liderança do governo no Congresso mostra que PSL "não tem identidade partidária", avalia cientista político

Em busca de recursos, Victor Coelho cumpriu agendas em Vitória e Brasília

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web