Dados da Sociedade Brasileira da Diabetes

Retinopatia diabética atinge 40% dos brasileiros

A falta de informação é um dos principais fatores de risco da doença

Por | 29.10.2019

Diabetes tipo 2 será a próxima epidemia global - é o que consideram os especialistas. Para se ter uma ideia, segundo o Ministério da Saúde, entre 2006 e 2016, os casos da doença aumentaram em 61,8% no Brasil. No mundo, já são mais de 387 milhões de diabéticos, e a expectativa é que esse número aumente em 150%. A diabetes é uma doença crônica, que aumenta as taxas de açúcar no sangue e pode levar a complicações graves, quando não controlada. Uma dessas complicações é a retinopatia diabética, considerada a maior causa de cegueira de pessoas jovens em todo o mundo.

Dados da Sociedade Brasileira da Diabetes, de 2018, mostram que 40% dos pacientes que têm diabetes podem desenvolver a doença, uma vez que a grande maioria não sabe sobre os riscos da doença. Para o médico oftalmologista João Guilherme Oliveira de Moraes, especialista em retina e vítreo e idealizador do Retina do Bem, projeto de combate à retinopatia diabética, além da falta de conhecimento, o grande problema é que a doença é assintomática, o que faz com que muitos casos sejam diagnosticados tarde demais: “A retinopatia diabética é uma doença que não apresenta sintomas específicos e a grande maioria dos pacientes com diabetes nem sabe desse risco. Por isso, o exame periódico de fundo de olho é tão importante para pacientes diabéticos”, avalia.

A retinopatia diabética afeta os vasos sanguíneos do olho e, se não diagnosticada e contida a tempo, ela deposita um material anormal nas paredes dos vasos da retina – fundo do olho –, causando o estreitamento e até bloqueio dos mesmos, além do enfraquecimento de suas paredes, o que pode causar deformidades chamadas de microaneurismas. São esses microaneurismas que acabam rompendo e levando à hemorragia, o que pode causar a cegueira. A retinopatia diabética se apresenta de duas formas a exsudativa ou proliferativa, ambas podem causar perda parcial ou total da visão. “No primeiro caso, a hemorragia e a gordura afetam a mácula, que é a responsável pela visão central, usada para a leitura. Já no segundo caso, acontece a proliferação de novos vasos atípicos, os “neovasos”, os quais são extremamente frágeis e também podem causar hemorragia.  Além disso, esses “neovasos” podem atingir o interior do olho, podendo causar não só dificuldades de enxergar, como a destruição da retina”, esclarece o especialista.

A principal causa da retinopatia diabética é o diabetes mellitus; é ele que impede o nosso corpo de fazer o uso adequado dos alimentos, principalmente o açúcar, elevando seus níveis na corrente sanguínea. Quanto a prevenção, o médico lembra que não existem segredos: alimentação adequada, uso dos remédios prescritos, prática de exercícios físicos e consultas periódicas acompanhadas do exame de fundo de olho podem evitar maiores problemas. Hoje, graças ao avanço da tecnologia, existem tratamentos capazes de interromper a progressão da doença, como a Fotocoagulação por raio laser, que cauteriza as regiões afetadas, evitando o processo de hemorragia. Em alguns casos, porém, pode ser necessária a realização de cirurgia de vitrectomia. “Quanto mais cedo é o diagnóstico, maior é a probabilidade de sucesso no tratamento. Apesar de não existir uma cura para a retinopatia diabética, ela pode ser controlada. Por isso, ter conhecimento sobre o assunto é o primeiro passo para a prevenção”, finaliza Moraes.

 

 

Comentários Facebook


Mais Saúde

Um em cada seis homens tem câncer de próstata no Brasil

Sete em cada dez brasileiros acreditam em fake news sobre vacinas

Após investimento de R$ 700 mil, Pronto Atendimento Paulo Pereira vai ser reaberto dia 19

2ª etapa da campanha nacional de vacinação contra o sarampo será de 18 a 30 de novembro

Hospital promove reencontro de paciente e cãozinho de estimação

Em Cachoeiro, campanha UNIODONTO informa sobre riscos do câncer de boca

Unimed Sul promove ação de conscientização sobre câncer de próstata neste sábado

Castelo ganha nova unidade de atendimento da Unimed Sul Capixaba

Prefeito Dorlei Fontão anuncia construção do Hospital Municipal de Presidente Kennedy

Casos de morte por dengue aumentam 5 vezes em relação ao ano passado

Governo do Estado vai credenciar instituições privadas para oferta de consultas especializadas

Evento em Cachoeiro debaterá judicialização da saúde pública

Novembro Azul: 5 fatos sobre o câncer de próstata que você não sabia

Câncer de mama: ES tem 1.100 casos por ano

Medidas antitabaco diminuíram em 40% o número de fumantes no Brasil

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web