Notícias Falsas

Sete em cada dez brasileiros acreditam em fake news sobre vacinas

Pesquisa foi feita com 2 mil pessoas nas cinco regiões do país

Por | 16.11.2019

Fonte:  Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/AB 

Dez afirmações falsas recorrentes sobre vacinas foram apresentadas a mais de 2 mil entrevistados nas cinco regiões do Brasil, e o resultado preocupa a Sociedade Brasileira de Imunizações: mais de dois terços (67%) disseram que ao menos uma das informações era verdadeira.

A pesquisa foi feita pela sociedade médica em parceria com a organização não governamental Avaaz. Os questionários foram aplicados pelo Ibope entre 19 e 22 de setembro deste ano.

Entre os entrevistados, apenas 22% conseguiram identificar que as dez afirmações eram falsas. Mais 11% não souberam ou não responderam.

Para 24% dos entrevistados, "há boa possibilidade de as vacinas causarem efeitos colaterais graves", quando, na verdade, os efeitos adversos graves são raríssimos. A segunda afirmação falsa mais recorrente foi "há boa possibilidade de as vacinas causarem a doença que dizem prevenir", com 20% de concordância - uma em cada cinco entrevistas.

Crianças são imunizadas na tenda de vacinação instalada na Quinta da Boa Vista para a campanha contra a poliomielite e o sarampo, prorrogada até o dia 22/09 no estado do Rio de Janeiro.

Crianças são imunizadas no estado do Rio de Janeiro. - Fernando Frazão/Arquivo Agência Brasil

Apesar de as gestantes terem um calendário específico de vacinação formulado pelo Ministério da Saúde, 19% dos entrevistados concordaram com a afirmação falsa de que "mulheres grávidas não podem se vacinar".

O presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações, Juarez Cunha, chama a atenção que mesmo afirmações absurdas tiveram concordância de parcelas consideráveis dos entrevistados. Para 14%, é correto afirmar que "O governo usa vacinas como método de esterilização forçada da população pobre", e 12% disseram que "contrair a doença é, na verdade, uma proteção mais eficaz do que se vacinar contra ela".

Entre os entrevistados, 13% assumiram que deixaram de se vacinar ou deixaram de vacinar uma criança sob seus cuidados. Os motivos para essa ausência incluem falta de planejamento (38%) e difícil acesso aos postos de vacinação (20%), mas também foram citados o medo de ter um efeito colateral grave (24%), o medo de contrair a doença através da vacina (18%) e alertas e notícias vistos na internet (9%). Cada entrevistado citou até três motivos.

"Fica constatado que as pessoas estão recebendo muita informação inadequada, e que essa informação inadequada tem circulado com cada vez maior frequência. Com certeza, é mais um dos motivos que tem impactado as nossas coberturas vacinais", afirma Cunha.    

 

 

Comentários Facebook


Mais Saúde

Serviços do Centro Municipal de Saúde são transferidos para outras unidades

Prefeitura de Castelo lança processo seletivo para contratar médicos

Em Cachoeiro, Governo do Estado anuncia 28 mil consultas de saúde para região sul

Reabertura do Paulo Pereira foi destaque de 2019 em Cachoeiro

SUS recebe 1.424 novos leitos de UTI em todo o Brasil

Hospital Unimed Sul está entre as unidades de saúde que cumprem padrões mundiais para atendimentos de AVC

Unidades de saúde do interior terão coleta de sangue para exames

Começa pesquisa para saber como anda a saúde dos brasileiros

O verão chegou e é preciso cuidados para evitar a desidratação

Nova Unidade Básica de Saúde será inaugurada nesta sexta-feira em Joacima

Sala de vacinas funcionará no Centro de Saúde Paulo Pereira Gomes

Janeiro Branco: Cachoeiro terá atividades sobre saúde mental neste mês

Governador Casagrande apresenta balanço sobre redução da criminalidade em 2019

Santa Casa de Misericórdia passa administrar Hospital Menino Jesus em Itapemirim

Unimed Sul Capixaba conquista Selo Ouro no Programa de Acreditação de Operadoras da ANS

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web