Tragédia ambiental

Óleo já atingiu pelo menos 675 áreas de 116 cidades, informa Ibama

Cerca de 4.500 toneladas de resíduos contaminados já foram recolhidos

Por | 20.11.2019

Agência Brasil  Brasília

Ao menos 675 pontos do litoral brasileiro já foram atingidos pelas manchas de óleo de origem desconhecida que, desde o fim de agosto, se espalhou por toda a costa da Região Nordeste e pelo litoral norte do Espírito Santo.

Segundo o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), as 675 áreas afetadas pela substância poluente estão espalhadas por 116 municípios de dez estados: nove da Região Nordeste (Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe) e um da região Sudeste (Espírito Santo).

Só nas últimas 24 horas, militares da Marinha, técnicos do Ibama e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), além de servidores públicos de prefeituras e governos estaduais e voluntários vistoriaram 143 áreas. Destas, o Ibama classificou 64 como limpas e livres da presença de fragmentos de óleo. Nas outras 79 áreas vistoriadas, os agentes ainda encontraram manchas e vestígios esparsos de contaminação até o meio-dia de hoje (19).

 

Voluntários retiram óleo de praia em Morro de São Paulo, na Bahia

Voluntários retiram óleo de praia em Morro de São Paulo, na Bahia - Arquivo pessoal/João Moraes

Na noite desta segunda-feira (18), o Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), formado por representantes da Marinha, da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e do Ibama informou que, ao longo de todo o dia, 6 mil militares da Marinha (5.746), Exército (249) e da Aeronáutica (seis) atuaram na operação de identificação e remoção do óleo. Ontem, também participaram da ação 68 servidores do Ibama; 55 do ICMBio; 3.873 agentes de defesas civis estaduais e municipais e 440 funcionários da Petrobras. Vinte e um navios, 11 aeronaves e 31 viaturas foram colocadas à disposição das equipes.

Segundo o Ibama, desde 30 de agosto, cerca de 4.500 toneladas de resíduos contaminados já foram recolhidos de praias, manguezais, costões e outros habitats. A contagem desse material não inclui somente óleo, mas também areia, lonas e outros materiais utilizados para a coleta. A forma de descarte destes resíduos é determinada pelas secretarias estaduais de Meio Ambiente.

 

 

Comentários Facebook


Mais Meio Ambiente

Chuvas no Espírito Santo devem continuar até sexta-feira, prevê Inmet

Monitor de Secas aponta redução da área com seca e da gravidade do fenômeno no Espírito Santo

Ilha dos Franceses, rara beleza em Itapemirim e refrescante atrativo no verão 2020

Visitas guiadas ao Monte Aghá estão com inscrições abertas

Estado terá 100% dos municípios realizando licenciamento ambiental em 2020

Presidente Kennedy cria comissão para enfrentar eventual avanço da lama de petróleo nas praias

Óleo já atingiu pelo menos 675 áreas de 116 cidades, informa Ibama

Devido ao vazamento de óleo no Nordeste, praias de Itapemirim são monitoradas diariamente

Victor Coelho assina pacote de medidas ambientais em Cachoeiro

Óleo atinge local de desova de tartarugas no Espírito Santo

Na foz do Rio Doce, pescadores temem que óleo agrave tragédia

Fuzileiros vão tentar localizar manchas de óleo no Espírito Santo

Recanto sagrado dos yanomami, Pico da Neblina deve ser reaberto

Ambientalista diz que Cachoeiro tem 80% de esgoto tratado

Primavera começa, mas chuvas devem se fixar apenas em outubro

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web