Alerta!

O verão chegou e é preciso cuidados para evitar a desidratação

A Vigilância Sanitária Estadual listou, em uma nota técnica, alguns cuidados básicos para aproveitar o período de forma saudável

Por | 09.01.2020

Durante o verão, a época mais quente do ano, é preciso redobrar os cuidados com a exposição ao sol, hidratação e alimentação para evitar problemas de saúde. Nesse período do ano, com a maior frequência de pessoas nas praias, aumenta-se o consumo de alimentos e bebidas comercializados em ambientes abertos, muitas vezes de origem incerta, que podem causar problemas à saúde.

 

A Vigilância Sanitária Estadual listou, em uma nota técnica, alguns cuidados básicos para aproveitar o período de forma saudável e minimizar os riscos de contaminação alimentar e outros problemas de saúde comuns no período. A intenção do documento é orientar a população em geral sobre consumo de alimentos, protetor solar, bronzeador e repelentes, e evitar problemas com a saúde durante o verão. 

Atenção à hidratação

A sede é um dos primeiros sintomas de que o corpo está desidratando. Ela ocorre quando a pessoa perde mais líquido do que ela ingere.

Durante o verão, a desidratação ocorre principalmente em crianças e idosos, e pode ter sérias complicações. Em quadros de desidratação leves e moderados, além do aumento da sede, os principais sintomas são fraqueza, pressão baixa, cansaço e sonolência.

Por isso, a primeira regra para manter a boa hidratação do corpo é ingerir muita água, já que o corpo humano é composto por cerca de 70% de água e os órgãos necessitam deste nutriente para manter o funcionamento regular.

Frutas com alta concentração de água também podem ser consumidas pois, além de manter o equilíbrio na alimentação, auxiliam no processo de hidratação do corpo. É importante ingerir sucos naturais e frutas que contenham altas concentrações de água e baixo índice glicêmico como abacaxi, maçã, pera, melão e uva, por exemplo.

Refrigerantes e sucos de caixinha são produtos industrializados e ricos em açúcares e conservantes, que são prejudiciais à saúde e devem ser evitados.

Para controlar a hidratação do corpo, é preciso observar a cor da urina, que deve estar preferencialmente transparente ao longo de todo o dia.

 

Cuidados com a alimentação

No verão, as chamadas Doenças Transmitidas por Alimentos (DTAs) podem ocorrer com maior frequência. Essas DTAs são provocadas pelo consumo de alimentos contaminados com micro-organismos prejudiciais à saúde, parasitas ou substâncias tóxicas. A maior parte delas pode ser prevenida por meio da adoção de procedimentos higiênicos por quem manipula os alimentos. A exposição dos alimentos a temperaturas elevadas favorece o crescimento dos micro-organismos prejudiciais à saúde, por isso é importante não consumir alimentos sem garantia de procedência.

É importante que o consumidor não compre alimentos com a embalagem perfurada, suja, amassada, estufada ou trincada.

Para evitar a contaminação por alimentos e bebidas é preciso beber água tratada desde que esteja acondicionada em embalagens lacradas, ou seja, de uma fonte segura; evitar adicionar gelo de procedência desconhecida às bebidas; assegurar-se de que todo alimento esteja bem cozidos, fritos ou assados, destacando que os alimentos perecíveis devem ser mantidos em baixa temperatura (abaixo de 5°C) ou bem aquecidos (acima 60°C); evitar o consumo de frutos do mar crus; evitar consumir leite e seus derivados crus; evitar o consumo de preparos culinários que contenham ovos crus; e sempre verificar a data de validade dos produtos.

 

Saúde da pele

Também durante o verão a exposição ao sol e raios ultravioletas é maior, por isso o uso de protetor solar é fundamental para evitar queimaduras, inclusive durante a prática de atividades ao ar livre.

Por conta disso, a Vigilância Sanitária Estadual orienta sobre os cuidados simples que podem fazer a diferença na proteção da pele contra os danos dos raios solares: opte por produtos de qualidade, registrados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), observando se as embalagens apresentam o número de registro do produto, a indicação do fator de proteção solar, o modo de usar, prazo de validade, a indicação da necessidade de reaplicação para manter a sua eficácia entre outras orientações.

Quanto ao uso de equipamentos para bronzeamento artificial estético, diante da dificuldade de determinar o nível de exposição seguro, o recomendado é utilizar somente produtos regulamentados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

 

 

 

Comentários Facebook


Mais Saúde

Câncer: Inca alerta para sinais e sintomas persistentes em crianças

Pesquisa revela o comportamento digital dos médicos no Brasil

A pedido de Dr. Thiago Peçanha, ex-prefeito de Itapemirim será homenageado em UTI do Hospital Santa Helena

Farmácia Cidadã de Atílio Vivácqua passa a funcionar direto, sem intervalo para almoço

Tabela SUS Capixaba para exames é publicada no Diário Oficial

Dia Mundial de Combate ao Câncer: médicos recomendam atividade física

Moradores afetados por enchente podem se vacinar contra hepatite A em seis locais

Número de mortes pelo coronavírus ultrapassa 300 na China

Casos suspeitos de coronavírus sobem para 12 no Brasil

Centro de Operações Estratégicas elabora plano para conter coronavírus

Regiões de Cachoeiro atingidas por enchente terão vacinação contra hepatite A

Cachoeiro intensifica ações de combate a endemias após enchente

Secretaria de Saúde orienta população sobre cuidados pós-enchente

Prefeito de Itapemirim determina atendimento prioritário à população atingida pela enchente

Médico explica câncer de pulmão agressivo de Ana Maria Braga

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação sem autorização.

© Atenas Notícias e Opinião.
Todos os direitos reservados.

Produção / Cadetudo Soluções Web